Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Torben comemora volta de Scheidt e o vê perto da Olimpíada

Demétrio Vecchioli

06/02/2019 04h00

Torben Grael e Robert Scheidt (Saulo Cruz/Exemplus/COB)

"Provavelmente" Robert Scheidt estará em mais uma Olimpíada. Quem projeta é o técnico-chefe da seleção brasileira de vela, Torben Grael. Os dois estão empatados como recordistas brasileiros tanto em participações olímpicas (seis) quanto em medalhas (cinco). Nesta terça (5), Robert anunciou que vai tentar se isolar, uma vez que buscará vaga em Tóquio-2020 na classe Laser.

+ Scheidt volta à vela olímpica aos 45: "Idade não é impeditivo"
+ Flamengo fecha com Isaquias e deixa porta aberta para novos reforços

"Acho que ele tem toda condição de conseguir a classificação, mas conseguir a classificação para ele é o de menos. Ele sem treinar, treinando bem pouco, ele empatou a Copa Brasil, perdeu no desempate. Ele dando uma treinadinha, do jeito dele é super intensivo, vai chegar bem nos campeonatos e vai obter a classificação provavelmente", comentou Torben, em entrevista por telefone ao Olhar Olímpico.

O próprio Torben já passou diversas vezes pelo que Scheidt está passando. Durante toda a carreira, foi e voltou da vela olímpica, revezando-se com bem sucedidas empreitadas na vela oceânica. A última vez foi em 2010, quando voltou à Star para ser bronze no Mundial. Mas Scheidt era o então titular da seleção brasileira e a antiga Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM) não tinha recursos financeiros para apoiar os dois. Sem incentivo, Torben se aposentou do esporte olímpico em 2011, aos 61 anos.

Scheidt teve melhor sorte na reta final de carreira. Parou de competir de Laser em 2016, foi mal na 49er em 2017, passou 2018 quase inteiro aposentado da vela olímpica e anunciou sua volta já depois da primeira etapa da Copa do Mundo, que aconteceu no fim de semana passado. Mesmo assim, pode chegar à seleção daqui a apenas dois meses. Basta pagar do bolso para disputar o Princesa Sofia, na Espanha, e ficar entre os 20 primeiros colocados.

"O sistema que nós temos agora não é congelado durante um ano, que só um atleta vai receber apoio. Uma competição classifica para outra e, conforme o resultado, mantém o apoio ou abre o apoio para qualquer outro atleta que for lá e tirar um resultado expressivo. Serve tanto para o Robert quanto para o João Pedro", continua Torben, que vê na disputa com o veterano um incentivo extra para João Pedro de Oliveira, de 24 anos, .

No ano passado, ele foi 19º colocado no Mundial no ano passado e garantiu vaga para o Brasil na Laser em Tóquio. O representante será escolhido entre quem tiver o melhor resultado nos Mundiais de 2019 ou 2020. Além dos dois, também concorre Bruno Fontes, veterano de 39 anos, que cada vez mais divide a vela com outras atividades profissionais.

Boas chances

O retorno de Scheidt é mais uma boa noticia para a vela olímpica do Brasil neste início de ano. A temporada começou com três medalhas na Copa do Mundo de Miami, algo que não acontecia desde 2016. Martine Grael e Kahena Kunze foram ouro na 49er, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan bronze na 470 Feminina e a Samuel Albercht e Gabriela Nicolino de Sá conquistaram uma inédita prata na Nacra17, primeira medalha brasileira nessa classe.

Além desses três barcos, o Brasil ainda tem expectativas de bons resultados com Jorge Zarif, na Finn. Agora, com Scheidt, são cinco chances para a seleção brasileira. "A conta é mais ou menos essa. Para sair com uma ou duas medalhas, tem que chegar com chance no maior número possível. Se chega com chance uma, você até consegue, mas a probabilidade é menor. Se chega com cinco, três podem dar errado, e você tem duas medalhas. É importante a gente ter várias chances de sucesso, também porque divulga a vela e atrai novos nomes", avalia Torben.

 

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.