Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Conselho de Ética do COB recebe duas denúncias contra a CBDA

Demétrio Vecchioli

16/10/2018 19h49

 

Miguel Cagnoni na assembleia da CBDA (Satiro Sodré/SSPress/CBDA)

Sete meses depois de começar a funcionar, o Conselho de Ética do Comitê Olímpico do Brasil (COB) recebeu na tarde desta terça-feira (16) as duas primeiras denúncias de má-gestão em confederações. E ambas têm como alvo a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), por supostas irregularidades já durante a gestão de Miguel Cagnoni, que assumiu a entidade no ano passado.

"Nova gestão da CBDA esconde informações a sete chaves", critica ex-diretor

O Olhar Olímpico chegou a perguntar ao COB a respeito das denúncias na segunda-feira, quando o comitê disse não ter conhecimento delas. Nesta tarde, porém, ambas foram oficialmente remetidas ao presidente do Conselho de Ética, o advogado Alberto Murray Neto.

A origem e o conteúdo exato das duas são mantidos sob sigilo. Uma delas chegou ao Conselho por intermédio do gerente de compliance William Evangelista. A outra, pelo presidente da Comissão de Atletas, o ex-judoca Tiago Camilo, acionado pela comissão de atletas dos saltos ornamentais, presidida por Tammy Galera. Tanto Evangelista quanto Camilo têm a responsabilidade de receber denúncias de suas áreas e filtrá-las antes de encaminhar ao Conselho.

Nos dois casos, porém, as denúncias estão relacionadas à gestão de verbas públicas. Como mostrou o Olhar Olímpico na segunda-feira, Renato Cordani pediu demissão do cargo de diretor-geral de esportes da CBDA reclamando da falta de transparência da entidade. Principal apoiador financeiro da campanha de Miguel à presidência, Cordani não conseguiu esclarecimentos sobre as movimentações de uma conta bancária da CBDA.

Ao questionar o presidente da CBDA sobre um suposto pagamento feito a um profissional com quem este teria relações pessoais, Cordani não obteve acesso às movimentações da conta. Por não envolver dinheiro público, essas movimentações não estão disponíveis em mecanismos de transparência, seja do Ministério do Esporte ou do COB.

Agora, o Conselho de Ética deve acionar a CBDA, que terá cinco dias para responder às acusações. Depois disso é que o Conselho vai decidir se instaura ou não um procedimento disciplinar. Até agora, o único caso investigado pelo Conselho havia sido a denúncia contra o técnico Marcos Goto e a Confederação Brasileira de Ginástica, no caso da denúncia de abuso sexual contra o técnico Fernando de Carvalho Lopes. Tanto Goto quanto a CBG foram absolvidos.

 

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.