Blog Olhar Olímpico

STJ mantém proibição de shows e privatizar Pacaembu fica mais difícil

Demétrio Vecchioli

17/10/2017 04h00

O plano de concessão do estádio do Pacaembu à iniciativa privada, uma das bandeiras esportivas da gestão João Doria (PSDB) sofreu um duro golpe. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, em última instância, o recurso da prefeitura de São Paulo contra a decisão favorável à associação de moradores Viva Pacaembu que, na prática, proíbe a realização de shows no estádio.

Nada muda nas regras já existentes e isso é prejudicial aos planos de concessão. Desde 2005, quando a Viva Pacaembu conseguiu pela primeira vez uma liminar, a prefeitura não pode permitir o uso do estádio do Pacaembu e da praça Charles Miller para realização de eventos que sejam “prejudiciais à segurança, ao sossego e à saúde”.

Desde então a prefeitura recorre e, em setembro, o caso chegou ao pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Mais uma vez, a liminar foi negada. “(A prefeitura) apenas apresentou argumentação vaga e genérica sobre suposta revaloração, sem indicação precisa de possíveis fatos incontroversos a serem revalorados ou de que outra forma o
provimento do pleito dispensaria reexame dos fatos e provas dos autos”, escreveu, em seu relatório, o ministro Benedito Gonçalves, convencendo de forma unânime seus colegas.

A prefeitura sonhava em derrubar a decisão favorável à Viva Pacaembu para tornar o estádio mais atraente para ser cedido, por concessão, à iniciativa privada. É que o estádio é deficitário e, como São Paulo, Palmeiras e Corinthians têm seus estádios particulares, recebe cada vez menos partidas de futebol. As de rúgbi, da seleção, por exemplo, não dão lucro.

Assim, se pudesse receber shows, o Pacaembu ofereceria esse atrativo aos interessados. Agora, com a manutenção da decisão favorável à associação de moradores, o concessionário que quiser realizar eventos musicais no estádio terá que instalar uma cobertura completa no local, o que, já se sabe, não sairá nada barato.

Por enquanto, o processo licitatório está na segunda fase, quando quatro grupos têm 60 dias (estamos na metade do prazo) para apresentar sugestões de modelos de concessão. A prefeitura escolherá um deles, que servirá como base do edital de concessão. Deste sim participarão os interessados na concessão.

A prefeitura admite que a decisão atrapalha os planos: “É claro que se pudesse haver shows com som mais alto, mais interessados apareceriam”, reconhece o secretário municipal de Desestatização e Parcerias, Wilson Poit, que acredita na “criatividade” das empresas para “destinar muito bem o local”.

O blog tentou contactar a Viva Pacaembu, mas não teve retorno. No Facebook, o presidente da entidade, Rodrigo Mauro, comentou a decisão favorável à associação. “A partir de agora todos os eventos no Pacaembu não poderão causar transtorno ao sossego, saúde e segurança dos moradores do entorno, além de seguir as normas ABNT. Isso quer dizer que o som produzido pelos eventos não deve ultrapassar 45 decibéis, das 22h às 7h e 50 decibéis das 7h às 22h, o que pode inviabilizar qualquer tipo de evento musical, shows pequenos ou grandes, eventos religiosos, dentre outros. Não apenas a poluição sonora, mas os eventos deverão respeitar todo o entorno, garantindo a ordem e evitando todas as irregularidades que ocorrem do lado de fora do Complexo Desportivo do Pacaembu e Praça Charles Miller. Os flanelinhas, os ônibus e veículos estacionados em local proibido, a utilização das ruas residenciais como banheiro público, o consumo de drogas entre outros, deverão ser fiscalizados e fortemente autuados pelos órgãos competentes”, escreveu ele.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque, interior de SP, vive na capital paulista desde que começou a estudar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, onde terminou a graduação em 2007 e a pós-graduação em 2011. Após início na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Topo