PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Governo federal propõe a Todt prova de Fórmula E no gramado do Maracanã

Demétrio Vecchioli

21/06/2019 00h26

Maracanã (divulgação)

Depois de criar polêmica defendendo a realização do GP Brasil de Fórmula 1 no Rio de Janeiro em 2020, quando ainda estará válido o contrato da categoria com São Paulo, nesta quinta-feira (20) o governo federal deu o pontapé para mais uma polêmica no automobilismo. Em nota, anunciou que propôs à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) uma corrida de Fórmula E no país, oferecendo Rio, Brasília e Belo Horizonte. Acontece que São Paulo já tem conversas avançadas com a entidade internacional.

LEIA MAIS:

+ Caixa discute apoio a olímpicos com o COB, mas recusa novas confederações

+ Presidente da AGLO se diz apunhalado e ataca general: 'covarde'

+ Bolsonaro assina novo contrato com CPB, mas Caixa não paga anterior

A nota foi divulgada pelo Ministério do Turismo. De acordo com a pasta, o ministro Marcelo Álvaro Antônio reuniu-se na quarta (19) em Paris com o presidente da FIA, Jean Todt. Diz a nota que o governo "obteve dele (Todt) o aval para que o Brasil receba uma etapa do circuito mundial da Formula E".

Sempre de acordo com o Ministério do Turismo, o governo do Rio apresentou duas alternativas. Uma delas envolve o complexo do Maracanã, com parte da corrida percorrendo o gramado do estádio, que atualmente está sob concessão do Flamengo. A outra proposta é correr na Marina da Glória. Em Belo Horizonte, a proposta é de a corrida acontecer na Esplanada do Mineirão. Não há detalhes, na nota, sobre a proposta de Brasília.

A nota do governo diz que o presidente da FIA afirmou que, "se houver possibilidade, uma das etapas poderá acontecer no Brasil ainda em dezembro deste ano". No calendário da categoria para a temporada 2019/2020, há uma prova em local "a ser definido" no dia 14 de dezembro.

Durante a conversa, segundo o governo, Todt ligou para Felipe Massa e combinou de se reunir com o piloto em agosto para definir "detalhes da prova". A nota trata Massa como "um dos organizadores da modalidade", ainda que ele não tenha nenhuma ligação com a organização da Fórmula E.

Nos dias seguintes à assinatura, por parte do governo federal, de um protocolo de intenções para a Fórmula 1 ir para o Rio, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que São Paulo estava perto de fechar com a Fórmula E. O Olhar Olímpico contou essa história no mês passado, relatando que as conversas com a capital paulista estavam avançadas. 

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.