Blog Olhar Olímpico

Condenação de cartola do taekwondo abre portas para mais dirigentes presos

Demétrio Vecchioli

24/03/2018 05h00

Carlos Fernandes ao lado de Carlos Arthur Nuzman na Rio-2016

Afastado da presidência da Confederação Brasileira de Taekwondo por decisão judicial ainda em 2016 e proibido de concorrer de novo ao cargo no ano passado, Carlos Fernandes é peixe pequeno. Mas a sua condenação a seis anos e quatro meses de prisão em regime fechado, decretada ontem por um juiz federal do Rio de Janeiro, vai muito além da pena pura e simples aplicada contra um dirigente em específico. Ela é simbólica, porque mostra que, como ele, outros tantos cartolas podem ir para trás das grades.

A prática que levou Carlos Fernandes a ser condenado pelos crimes de estelionato e fraude em licitação é recorrente na cartolagem brasileira. Vide um caso recente denunciado pelo Olhar Olímpico e que repercutiu também ontem. Toninho Fernandes, da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), admitiu que não hospedou 370 atletas durante o Troféu Brasil de 2014. Isso apesar de ter apresentado uma nota fiscal de R$ 555 mil ao Governo do Estado de São Paulo referente a essa hospedagem.

Só para ficar em denúncias feitas por este blog: Miguel Cagnoni, presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), utilizou empresas de fachada para justificar gastos em convênios com o Governo do Estado, também. Ainda na Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo Del Nero colocou a empresa parceira escolhida para gerir um convênio para concorrer com outras duas de outros ramos. Uma delas, da assessora de imprensa da empresa contratada.

E há tantas outras denúncias parecidas, tramitando nos mais diversos órgãos, por provocação da imprensa e por outros interessados. Vide o processo que corre contra a antiga gestão da CBDA e as reportagens investigativas do colega Lúcio de Castro que atingiram as confederações de basquete e vôlei. Ou as muitas denúncias contra a gestão da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), publicadas especialmente pela ESPN Brasil.

Mas o jornalismo pode denunciar, não investigar ou julgar. Todos os casos citados estão na mão das polícias civil ou federal e dos ministérios públicos estadual ou federal. Depende deles e, claro, da Justiça, que esses casos tenham o mesmo destino de Carlos Fernandes.

Alguns outros dirigentes estão com a corda ainda mais apertada no pescoço. São eles das confederações de tiro esportivo, tiro com arco e esgrima, além de gestores de clubes como a Sogipa e o Grêmio Náutico União, ambos do Rio Grande do Sul. Todos contrataram a mesmíssima prática da CBTKD: receberam recursos do governo federal por meio de convênios e subcontrataram a SB Marketing & Propaganda para realizar serviços inerentes à confederação.

Em outras palavras: após conseguirem acesso a verba federal, elas destinavam cerca de 10% a uma empresa que, em teoria, fazia serviços que também poderiam ser feitos pela confederação. Acontecia igual na Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude de São Paulo (SELJ), por exemplo, onde as mesmas empresas eram recorrentemente contratadas por quem conseguia dinheiro repassado.

Com a diferença que a investigação contra as entidades que contrataram a SB está bem mais avançada. O MPF priorizou o processo contra a CBTKD após receber a denúncia de um advogado ligado à oposição a Carlos Fernandes. E, à medida que foi descobrindo como funcionava o esquema, chegou também em novas entidades.

Desde o ano passado aguarda-se uma ação da Polícia Federal contra as confederações de tiro esportivo, tiro com arco e esgrima. Inclusive, este seria um dos motivos pelos quais o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Paulo Wanderley, desistiu de lançar Ricardo Moreira, presidente da confederação de esgrima, como seu candidato à vice-presidência.

Ao mesmo tempo, outras confederações foram sendo alcançadas pelas investigações. No ano passado, pelo que apurou o Olhar Olímpico, o presidente da Confederação Brasileira de Wrestiling (CBW), Pedro Gama Filho, chegou a preparar o terreno para uma possível operação da PF, encaminhando sua sucesso em caso de necessidade.

Como as investigações no MPF do Rio, onde está a maior parte das confederações, está a cargo do Núcleo de Combate à Corrupção, elas foram desaceleradas nos últimos meses. O trabalho prioritário passou a ser a Lava-Jato, com implicações sobre o ex-governador Sérgio Cabral e o então presidente do COB Carlos Arthur Nuzman. A expectativa, porém, é que logo as investigações contra os cartolas seja concluída. E aí será um salve-se quem puder.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Topo