Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

CBF quer comprar ingressos do Brasileiro e dar a fãs para encher estádios

Demétrio Vecchioli

11/09/2019 04h00

(Marcelo Cortes/Flamengo)

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) promete lançar nos próximos dias um programa que tem como objetivo final aumentar a média de público do Campeonato Brasileiro nessa temporada e nas seguintes. Batizado de "Galerômetro", o plano consiste em incentivar a interação de torcedores em plataforma específica do Brasileirão e premiar os mais ativos com ingressos da Série A, que serão comprados pela confederação junto aos clubes.

O programa foi apresentado pelo diretor de competições da CBF, Manoel Flores, durante curso na Brasil Futebol Expo, no fim da semana passada. "Nós queremos chegar nos clubes e dizer que queremos comprar ingressos em jogos pontuais, em jogos que ficam ociosos. Não quero concorrer com o sócio-torcedor do clube. Quero converter o torcedor em sócio torcedor do clube", explicou.

LEIA MAIS:

+ Mundiais de Skate em SP dividem atenção de Doria e Covas

+ Allianz Parque terá hub para conectar startups esportivas

+ Brasileiro vai do aeroporto para o mar, surfa de jeans e vence no Mundial

A entidade máxima do futebol brasileiro recentemente identificou que ela não tem informações sobre o perfil do torcedor dos clubes brasileiros e que vendia muito mal seu melhor produto, o Campeonato Brasileiro. Uma das primeiras ações foi criar, este ano, perfis do Brasileirão nas principais redes sociais. Só no Twitter o torneio já tem mais de 150 mil seguidores. São 670 mil no Instagram e 105 mil no Facebook.

Agora a CBF quer aumentar as interações entre os seguidores e as páginas oficiais. Um site será apresentado nas próximas semanas com o Galerômetro, em que os torcedores poderão criar enquetes e convidar amigos para participar. Quanto maior a interação, mais pontos vai para a conta do fã, que poderá trocar por ingressos. Ganha a confederação, que cria uma base de fãs, e ganha o campeonato, com estádios mais cheios.

Neste primeiro momento a CBF não deverá remunerar os clubes. A ideia é convencê-los a doar ingressos não utilizados, em jogos de baixa demanda de público, que têm espaços ociosos, para servir de atrativo na criação de dessa base fãs. A partir do ano que vem a confederação pagaria pelas entradas, comprando a mesma cota de tíquetes de todos os 20 times.

O Brasileirão deste ano tem uma das melhores médias de público da história, impulsionada principalmente pela ótima presença da torcida do líder Flamengo, que já bate em 50 mil torcedores por partida. Há, porém, grande margem para melhora. No total, os estádios não têm nem 50% de suas capacidades ocupadas no torneio.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.