Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Após denúncia do UOL, TCE vê fraude de R$ 1,2 mi e multa presidente da CBDA

Demétrio Vecchioli

22/08/2019 04h00

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) julgou irregular a prestação de contas de um convênio de cerca de R$ 1 milhão entre a Secretaria de Esportes estadual e a Federação Aquática Paulista (FAP) e determinou que a entidade, principal motor da natação brasileira, devolva esse montante. Além disso, multou em cerca de R$ 10 mil o atual presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Miguel Cagnoni. A denúncia de irregularidades foi feita pelo blog Olhar Olímpico em dezembro de 2017.

Na ocasião, uma série de reportagens mostrou que a maior parte dos recursos recebidos por convênios firmados entre a FAP de Cagnoni e a SELJ foram repassados, por subcontratação, a duas empresas (Rumo Certo e Anjy) de um mesmo proprietário. Concorrendo contra empresas supostamente de fachada, elas receberam R$ 2,3 milhões em um período de dois anos, de um total de R$ 5,5 milhões repassados em 12 convênios entre 2014 e 2015.

LEIA MAIS:

+ Lei de Incentivo pode barrar corridas de rua: 'Não é de interesse público'

+ Viagem pessoal para Argentina derrete credibilidade da 'nova' CBDA

+ Natação tem disputa por sucessão de presidente em vias de ser deposto

As reportagens do Olhar Olímpico mostraram que outras duas entidades de peso do esporte brasileiro também utilizaram notas fiscais genéricas da Rumo Certo e da Anjy para justificar o uso de recursos de convênios com a SELJ. Por conta dessas denúncias, os presidentes de Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e da Federação Paulista de Atletismo (FPA) foram forçados a renunciar.

Nos esportes aquáticos, porém, Cagnoni foi premiado com a presidência da CBDA, onde agora está em vias de ser também forçado a sair. Na FAP, deixou uma herança que deverá levar anos para ser superada. Em acórdão do mês passado, o TCE condenou a entidade a restituir ao erário estadual o valor de R$ 942.483,10, com as devidas correções e atualizações monetárias até a data do efetivo recolhimento. Até lá, a entidade fica proibida de receber recursos públicos. Pelo IGP-M, o valor corrigido ultrapassa R$ 1,2 milhão.

Em seu voto, o conselheiro Renato Martins Costa aponta que, no convênio para a manutenção de um Centro de Treinamento em Votuporanga (SP), a FAP não conseguiu comprovar a entrega de materiais esportivos, as viagens supostamente feitas por atletas, o número de atletas beneficiados ou sequer a contratação de treinadores. Veja aqui o exemplo das notas genéricas apresentadas na prestação de contas.

"Registre-se, dentre os comprovantes de prestação de contas, a apresentação de notas fiscais expedidas por diferentes empresas localizadas no mesmo endereço e telefone, as quais ainda apresentaram correlação societária, em detrimento ao princípio da impessoalidade, sugerindo a prática de fraude. Insubsistente a assertiva de que apenas duas empresas detinham endereço comum, porquanto representaram mais da metade do valor indicado na prestação de contas", argumentou. As duas empresas são a Rumo Certo e a Anjy, como denunciou o Olhar Olímpico.

Esta porém, ainda é só a ponta do iceberg. Dos 12 convênios firmados entre a federação e a SELJ, outros dois também caíram na malha-fina do TCE. Em ambos, que somam R$ 1,1 milhões em valores da época, o tribunal identificou as mesmas irregularidades e determinou, em 2018, em decisão monocrática, que a FAP devolvesse o montante ou se defendesse.

Ambos os processos ainda não foram julgados pelo plenário do tribunal, mas a FAP não tem como se defender. É que, depois que o Olhar Olímpico fez as denúncias, Miguel foi até a sede da federação e levou para casa todos os documentos relativos aos convênios. Deixou na mão o antigo aliado, Marcelo Biazoli, seu então vice, que hoje é presidente da FAP. Era Biazoli quem comandava o centro de treinamento onde ocorreu a fraude apontada pelo TCE.

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.