Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

MPF investiga conduta de campeão olímpico em cargo comissionado

Demétrio Vecchioli

03/07/2019 14h33

Pampa, ex-jogador de vôlei (divulgação)

O campeão olímpico Pampa está na mira do Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro. Na última segunda-feira (1), no primeiro dia útil depois do encerramento da Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), o ainda ativo Grupo de Trabalho Olimpíadas 2016 pediu que a Procuradoria Geral do Rio apure as condutas de seis pessoas que foram funcionários comissionados do governo, seja na AGLO ou no Ministério do Esporte, e que não teriam cumprido suas funções. Pampa está entre eles.

LEIA MAIS:

+ Governo não renova autarquia e legado olímpico pode entrar em colapso

+ Secretaria pede a Guedes para viabilizar privatização do legado olímpico

+ MPF apura se assessor do secretário do Esporte atua em benefício próprio

Pampa (André Felippe Falbo Ferreira), ex-jogador de vôlei, foi loteado como Superintendente de Novos Negócios na AGLO. Durante dois anos no cargo, o campeão olímpico de Barcelona-1992 não conseguiu concretizar nenhum "novo negócio", de acordo com o procurador da República Leonardo Mitidieri.  A autarquia foi encerrada no domingo sem cumprir sua principal atribuição: dar destinação para as arenas construídas para os Jogos Olímpicos do Rio.

O procurador também quer que o MPF investigue por que o antigo diretor-executivo da AGLO Rodrigo Gouvea Gomes de Carvalho e o ex-secretário-executivo do Ministério dos Esportes Fernando Avelino não realizaram as atribuições previstas em lei de "promover estudos que proporcionem subsídios para a adoção de modelo de gestão sustentável sob os aspectos econômico, social e ambiental".

Da mesma forma, ele pede que sejam apuradas as condutas do ex-diretor de Gestão Interna Leonardo Maciel, do ex-superintendente de concessões administrativas Eduardo Galdino e do seu assessor André Piazza, que não encaminharam nenhum estudo ou contrato de concessões administrativas.

Criada em março de 2017, a AGLO tinha como principais atribuições "viabilizar a adequação, a manutenção e a utilização das instalações esportivas olímpicas", administrá-las e promover os estudos que proporcionassem subsídios para a adoção de modelo de gestão sustentável. 

No ano passado, durante o governo Michel Temer (MDB), o Ministério do Esporte contratou o BNDES para realizar esse estudo, por R$ 16 milhões. O próprio Mitidieri interferiu, apontando que a AGLO já tinha funcionários para fazer esse trabalho, e a contratação foi suspensa. Agora, no governo Jair Bolsonaro (PSL), a Secretaria Especial do Esporte mandou reativar o contrato com o BNDES.

O blog tentou contato com Pampa pelas redes sociais, mas não recebeu resposta até a publicação dessa reportagem. Quando houver retorno, a matéria será atualizada.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.