Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Doria desdenha de autódromo no Rio: "Não tem nada em Deodoro"

Demétrio Vecchioli

2010-05-20T19:12:29

10/05/2019 12h29

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) desdenhou hoje (10) do protocolo de intenções para que o Rio de Janeiro recebe o GP Brasil de Fórmula 1 a partir do ano que vem em autódromo que viria a ser construído em um terreno do Exército no bairro de Deodoro em "seis ou sete meses", de acordo com o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

+ Governo federal descarta Interlagos enquanto gasta R$ 160 milhões em obras
+ Bruno Covas desiste de vender autódromo e propõe concessão

"Eu sobrevoei Deodoro. Não tem nada em Deodoro. Como pode imaginar que um investimento que não existe, não está projetado, desenhado, orçado? Como pode se dizer que aqui vai ter um autódromo internacional, aprovado pela Federação Internacional de Automobilismo (FiA) e pelos promotores da Fórmula 1, para realizar em 2020 um Grande Prêmio de F1? Algo não orna", disse Doria, em entrevista coletiva.

Ao lado do prefeito Bruno Covas, Doria fez questão, porém, de deixar claro que a polêmica com o Rio não abala a relação de amizade dos dois tucanos com o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB).

"Nada temos com relação ao Rio e a pessoas amigas. O prefeito do Rio é nosso amigo. O mesmo em relação ao governador (Wilson) Witzel. Incluo também o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que mora no Rio. Não temos nenhuma oposição a esta legítima vontade de promover grande eventos no Rio", avaliou Doria. "Se quiser disputar a Fórmula 1 vai disputar com São Paulo, e São Paulo tem mais chances de vencer do que o Rio."

Questionado sobre a se postura de Bolsonaro de defender o GP Brasil no Rio afeta a relação, o governador primeiro brincou. "Fácil de responder essa pergunta". Depois, falou sério e tentou amenizar. "O presidente me mandou um áudio bastante simpático ontem. Não há nenhuma razão de afastamento, de arranhão, ou qualquer interpretação de nossa parte, que possa representar reprovação da nossa parte."

Mesmo não tendo sido questionado, Bruno Covas pediu o microfone. "Sou um pouco mais isento para falar, porque não apoiei o Bolsonaro. Não estou numa cruzada contra o presidente Bolsonaro. Estou aqui a favor da cidade de São Paulo."

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.