Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

CBDA convoca 21 e abre mão de medalhistas para o Mundial

Demétrio Vecchioli

2021-04-20T19:21:00

21/04/2019 21h00

A natação brasileira não conseguiu ocupar as 24 vagas disponíveis na seleção que vai ao Mundial de Gwangju (Coreia do Sul), em julho. Apenas 20 nadadores obtiveram os índices "A" exigidos pela federação internacional (Fina). Mesmo assim, a confederação brasileira (CBDA) decidiu convocar um 21º atleta, o jovem André Calvelo, 18, para ser o quinto componente de um promissor revezamento 4x100m livre.

Pelos critérios, a confederação poderia ocupar as quatro vagas restantes da forma que entendesse. Mas optou por sustentar a política de não estimular as provas que não são olímpicas. Assim, deixou de fora o duas vezes vice-campeão mundial dos 50m borboleta Nicholas Santos (segundo do ranking) e o campeão mundial de 2011 nos 50m peito Felipe França (terceiro do ranking).

Jhennifer Conceição, que bateu o duas vezes o recorde sul-americano dos 50m peito e está em terceiro do ranking, também está fora. Etiene Medeiros, líder do ranking dos 50m costas, vai poder defender seu título porque se qualificou ao Mundial em outras três provas. Uma vez na Coreia, poderá ser inscrita nos 50m costas.

+ Sete meses após operar, Bruno Fratus lidera ranking mundial
+ Revezamento do Pinheiros faz melhor tempo do mundo no Troféu Brasil

Única seletiva para o Mundial, o Troféu Brasil Maria Lenk confirmou a renovação na equipe brasileira, principalmente a masculina. Dos 21 convocados, 19 são homens. E, desses, nove são jovens com menos de 23 anos, dos quais só dois, Gabriel Santos e Luiz Altamir, estiveram nos Jogos Olímpicos do Rio. Os demais, assim como Leo Santos (24) e Viviane Jungblut (22) são revelações desse ciclo olímpico.

Caio Pumputis, de 20 anos, é uma das novidades da convocação. Venceu os 200m medley e os 200m peito, com a oitava e a 13ª melhores marcas do ranking mundial, respectivamente. Murilo Sartori, de 18, ainda não vai ao Mundial adulto, mas lidera o ranking júnior dos 200m livre.

Por outro lado, Gabriel Fantoni é a grande ausência da convocação. Aos 20 anos, ele foi prata nos 100m costas e bronze tanto nos 100m borboleta quanto nos 200m costas. Mas não fez o índice exigido pela CBDA em nenhuma das provas. Cotado para Tóquio, poderia ganhar experiência com o Mundial, convocado como reserva do revezamento medley.

O Troféu Brasil mostrou o Brasil muito forte nos dois revezamentos de nado livre masculinos. Tanto nos 100m quanto nos 200m, quatro brasileiros estão entre os 20 melhores do ranking mundial. E a convocação deve ajudar a descansar titulares nas eliminatórias.

No 4x100m, a comissão técnica poderá contar com André Calvelo, Bruno Fratus e João de Lucca, respectivamente quinto, sexto e sétimo no Troféu Brasil. No 4x200m, com Leo Santos, sexto. Nas duas provas, Felipe Ribeiro, de 20 anos, mostrou crescimento e deve esquentar a briga por vagas olímpicas no ano que vem.

Entre as mulheres, o Troféu Brasil foi muito fraco. Só três provas olímpicas foram vencidas por brasileiras: Etiene Medeiros ganhou os 50m livre e os 100m costas, enquanto Fernanda Goeij, de 18 anos, levou os 200m costas. Mas ela ficou a mais de um segundo de fazer índice para o Mundial.

De forma geral, a convocação mostra uma equipe consistente rumo a Tóquio. Murilo Sartori (200m livre, principalmente), Felipe Ribeiro (revezamentos), Gabriel Fantoni (100m costas), Iago Moussalem (100m borboleta) e Miguel Valente (800m) parecem ser os que mais têm chance de entrar no time. Leo de Deus, que passou raspando nos 200m costas, última prova da competição, o que mais periga sair.

Convocados: 

Fernando Scheffer, 21 anos, 6º do ranking mundial dos 200m livre e 14º dos 400m livre, também nada o revezamento 4x200m livre
Breno Correia, 20 anos, 12º dos 200m livre e sétimo dos 100m livre; nada os revezamentos 4x100m e 4x200m livre
Luiz Altamir, 22 anos, 19º dos 200m borboleta (índice B); nada o 4x200m
João de Lucca, 29 anos, nada o 4x200m e pode nadar o 4x100m
Marcelo Chierighini, 28 anos, terceiro dos 100m livre e 12º dos 50m livre; nada o 4x100m livre e o 4x100m medley
Pedro Spajari, 22 anos, nada o 4x100m livre
Gabriel Santos, 22 anos, nada o 4x100m livre
Bruno Fratus, 29 anos, primeiro do mundo nos 50m livre; pode nadar o 4x100m livre
Brandonn Almeida, 22 anos, oitavo dos 400m medley
Caio Pumputis, 20 anos, oitavo dos 200m medley e 13º nos 200m peito
Guilherme Guido, 32 anos, 13º nos 100m costas e sexto dos 50m costas (não-olímpica); nada o 4x100m medley
Felipe Lima, 34 anos, 12º dos 100m peito e segundo dos 50m costas (não olímpica); pode nadar o 4x100m medley
João Luiz Gomes Jr, 33 anos, 12º dos 100m peito e 4º dos 50m costas (não-olímpica); pode nadar o 4x100m medley
Vinicius Lanza, 22 anos, sétimo dos 100m borboleta, nada o 4x100m medley
Leonardo Santos, 24 anos, 21º dos 200m medley, pode nadar o 4x200m livre
Guilherme Costa, 20 anos, 16º dos 1.500m livre, também pode nadar os 800m livre (estava doente no Troféu Brasil)
Diogo Villarinho, 25 anos, 17º dos 1.500m livre; vai antes à Coreia do Sul para nadar a maratona aquática 5km
Leo de Deus, 28 anos, 19º dos 200m costas
André Calvelo, 18 anos, reserva do 4x100m livre

Etiene Medeiros, 27 anos, sétima dos 50m livre, 30ª dos 100m livre, 23ª dos 100m costas e primeira dos 50m costas (não olímpica)
Viviane Jungblut, 22 anos, 22ª dos 800m livre e 28ª dos 1.500m livre; vai ao Mundial antes, para nadar as provas de maratona aquática.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.