Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Bicampeão mundial de judô, Derly será secretário no Rio Grande do Sul

Demétrio Vecchioli

21/12/2018 15h20

João Derly é anunciado como secretário no RS (divulgação)

Um dos deputados mais atuantes pelas pautas do esporte no Congresso Nacional, o ex-judoca João Derly (Rede) vai continuar trabalhando pelo setor. Nesta sexta-feira (21), ele foi anunciado como secretário estadual de Esporte do Rio Grande do Sul.

Quando a 'denúncia' contra um ídolo vira a história de um bom exemplo
+ Secretário de Esporte de Doria foi demitido da pasta por pedir "dízimo"

Derly, que primeiro foi vereador de Porto Alegre antes de se eleger deputado federal em 2014 pelo PCdoB, teve apenas metade da votação de quatro anos antes e não conseguiu se reeleger, agora pela Rede. Em outubro, recebeu 52 mil votos, ficando a 17 mil da última vaga da coligação, como terceiro suplente.

Apesar do voo solo na eleição nacional com Marina Silva,no Rio Grande do Sul a Rede apoiou a candidatura de Eduardo Leite (PSDB), que se elegeu em segundo turno. Depois de não ter sucesso na campanha pela reeleição, Derly trabalhou ativamente pela campanha de Leite em novembro.

Nesta sexta, Leite anunciou Derly como secretário de Esporte do seu governo, o que também é uma novidade. É que no começo de 2017, com aval da Assembleia Legislativa, o governo do Rio Grande do Sul extinguiu a Fundação do Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul (Fundergs), que era quem cuidava do esporte no estado.

Com isso, o esporte passou a ser responsabilidade da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, que abrangia as três áreas. Em uma reorganização do secretariado, Leite decidiu separar Cultura de Esporte – ele já havia anunciado Beatriz Helena Miranda Araújo como secretária de Cultura.

Derly tem 37 anos e conquistou seu primeiro título mundial do judô em 2005. Dois anos depois, se tornou o primeiro brasileiro bicampeão mundial – feito depois repetido por Mayra Aguiar, que foi sua sparring na juventude. Em 2008, era favorito ao ouro olímpico, mas foi surpreendido por um português na segunda rodada. Sofrendo com uma série de lesões, interrompeu a carreira cedo, em 2012, aos 31 anos. No mesmo ano foi eleito vereador pelo PCdoB.

Chuí

Em São Paulo, o ex-jogador de basquete Chuí (Marco Aurélio Pegolo dos Santos), de 55 anos, será o secretário-adjunto da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (SELJ). Ou seja: será o número 2 da pasta estadual, abaixo do secretário Aildo Rodrigues.

Esporte em São Paulo: PRB troca secretaria municipal por estadual

Ainda que o governador eleito João Doria tenha negado que entregaria a secretaria ao PRB e, depois, tenha dito que a escolha por Aildo (presidente do PRB municipal de São Paulo) era técnica, não partidária, o adjunto também virá do PRB. Chuí foi candidato a deputado estadual na eleição de outubro, pelo PRB, recebendo 7.469 votos – foi o 374º colocado em São Paulo.

Pelo que apurou o Olhar Olímpico, Doria queria um esportista famoso na secretaria. Ele inicialmente procurou Ana Paula, do vôlei, que recusou o convite. Outro ex-jogador de vôlei, Rodrigão, que foi candidato a deputado pelo PSDB, também teria sido procurado. Nas negociações com o PRB, o nome de Aildo, que já passou pela SELJ e foi demitido por cobrar dízimos dos funcionários, teria sido uma imposição do partido. Aí, Doria insistiu que ao menos o adjunto fosse esportista.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.