PUBLICIDADE
Topo

Sucesso no Pan e no Mundial, taekwondo fica sem vaga em Tóquio pelo ranking

Demétrio Vecchioli

06/12/2019 13h57

Brasileiros ganharam cinco medalhas no Mundial (divulgação)

Uma das gratas surpresas do Brasil no ano, a seleção de taekwondo falhou no objetivo de conseguir vagas olímpicas a partir do ranking mundial. No evento derradeiro, o Grand Prix Final, na Rússia, a equipe brasileira colocou apenas dois atletas nas quartas de final. Os demais quatro foram eliminados ainda na estreia. Agora, o Brasil até tem chances de ir a Tóquio pelo Pré-Olímpico continental, em março, na Costa Rica, mas só com no máximo dois homens e duas mulheres.

O resultado contrasta com o que foi o taekwondo brasileiro em 2019. A equipe ganhou cinco medalhas no Campeonato Mundial (que tem o dobro de categorias do que os Jogos Olímpicos), sendo duas de prata e três de bronze, e depois, nos Jogos Pan-Americanos de Lima, faturou sete medalhas de oito possíveis, duas delas de ouro.

As duas campanhas criaram grande expectativa pelo que o Brasil poderia fazer em Tóquio, a ponto de, esta semana, o governo federal conceder Bolsa Pódio para 13 atletas da modalidade. A bolsa, vale lembrar, é restrita a esportistas que uma comissão formada também pelo COB e pela respectiva confederação, entender terem chances de subir ao pódio na próxima edição da Olimpíada.

O fracasso no ranking olímpico, que dava cinco vagas por categoria, agora diminui radicalmente o número as possibilidades do Brasil. A seleção até tem boas chances de conquistar vagas pelo Pré-Olímpico continental, que distribuiu duas vagas por categoria, mas as regras impostas pela federação internacional restringem a quatro o número de inscritos por país. Caberá à comissão técnica escolher quem não terá mais chances de tentar a classificação.

Entre os homens, em suas respectivas categorias, Paulinho Melo é o 14º,  Edival Pontes (Netinho) o 10º, Ícaro Miguel o nono e Maicon Siqueira o oitavo. Todos têm seus argumentos. Netinho ganhou o Pan e os demais ganharam medalha tanto no Mundial quanto no Pan. Ícaro fez final em ambas e Maicon ainda por cima vem de medalha na Rio-2016.

No feminino a disputa parece mais encaminhada. Talisca Reis é 12ª, Rafaela Araújo 24ª, Milena Titoneli a 13ª e Caroline Santos a 21ª. Estas duas últimas são da mesma categoria, foram ambas ao pódio no Mundial, e concorrem entre si. No Pan, Milena foi ouro na sua categoria e, Talisca, prata. As duas parecem favoritas a ser convocadas.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

Olhar Olímpico