Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Prêmio Brasil Olímpico: Fernando Reis é decampeão e Ana Marcela ganha a 8ª

Demétrio Vecchioli

02/11/2019 04h00

(DAMIR SAGOLJ/REUTERS)

Aos 29 anos, Fernando Reis Saraiva tem tudo para se tornar o maior vencedor do Prêmio Brasil Olímpico, que em 2019 chega à sua 21ª edição. Em quase metade delas, 10, o paulista foi escolhido como o melhor do ano no levantamento de peso. A votação é feita por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte escolhidos pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) – o Olhar Olímpico faz parte do juri.

Fernando é, entre os campeões de 2019, quem mais tem vitórias em sua respectiva modalidade. Levantamento feito pelo blog aponta que a maior vencedora de forma geral é Yane Marques, melhor do pentatlo moderno 12 vezes consecutivas entre 2005 e 2016, quando se aposentou. Depois dela aparece Robert Scheidt, que este ano voltou a competir na classe Laser, que já venceu 11 vezes – e provavelmente teria vencido mais vezes se o prêmio já existisse em 1991, ano de seu primeiro título mundial. Scheidt também ganhou uma vez, em 2001, o "Atleta do Ano" no masculino, ente todas as modalidades. 

O ranking de maiores vencedores ainda tem Renzo Agresta (esgrima), Fabiana Beltrame (remo) e Cesar Castro (saltos ornamentais) com nove conquistas cada, Sebastian Cuattrin (canoagem velocidade), Jaqueline Mourão (neve e moutain bike) e Ana Marcela Cunha (maratonas aquáticas) com oito e Natália Falavigna (taekwondo), Hugo Calderano (tênis de mesa), Ana Sátila (canoagem slalom), Rodrigo Pessoa (hipismo) e Isaquias Queiroz (canoagem velocidade) com sete. 

Isaquias venceu três vezes o prêmio Atleta do Ano no masculino e, com isso, acumula 10 troféus. Ele está mais uma vez ente os finalistas deste ano – os vencedores serão conhecidos na cerimônia do dia 10 de dezembro. Ana Marcela também tem 10 troféus, sendo dois de Atleta do Ano no feminino. Ela busca o tricampeonato este ano. Ambos podem chegar a 11 taças.

Abaixo, confira o levantamento feito pelo Olhar Olímpico, com os maiores vencedores de cada modalidade. Em negrito, o campeão deste ano. O blog levou em consideração dados de modalidades presentes em mais de 15 edições.

Atletismo

Fabiana Murer (6), Maurren Maggi (3), Darlan Romani (2), Claudinei Quirino (2) e Jadel Gregório (2).

Curiosidade: Só Maurren e Fabiana venceram entre as mulheres. Entres os homens também já ganharam Vanderlei Cordeiro de Lima, Jadel Gregório, Hudson Souza, Marilson Gomes dos Santos, Duda, Thiago Braz e Caio Bonfim.

Basquete

Janeth (6), Leandrinho (3), Tiago Splitter (3) e Marcelinho Huertas (2). Erika (1).

Curiosidade: Aos 37 anos, Erika é a primeira mulher a vencer o prêmio desde 2006, com Iziane. Marcelinho Machado se aposentou sem nunca ser premiado.

Boxe

Robson Conceição (4), Bia Ferreira (3), Pedro Lima (2), Everton Lopes (2), Joilson Gomes (2) e Kelson Pinto (2).

Curiosidade: Medalhistas olímpicos, Adriana Araújo e Yamaguchi Falcão nunca ganharam o prêmio. Esquiva foi o escolhido uma única vez, em 2012. Bia, por sua vez, vai estrear na Olimpíada como tricampeã.

Futebol

Marta (6) e Neymar (4). Alisson (1). 

Curiosidade: Não há um critério claro que define quem são os três jogadores aptos a serem votados. Em 2015, o prêmio ficou com o então santista Lucas Lima. Em 2017, com o gremista Luan.

Ginástica Artística

Diego Hypolito (6), Arthur Zanetti (5), Daiane dos Santos (3), Daniele Hypolito (3), Arthur Nory (1), Jade Barbosa (1), Thais Fidélis (1) e Lais Souza (1).

Curiosidade: Da elite da ginástica brasileira no século, só Flávia Saraiva e Rebeca Andrade nunca ganharam o prêmio.

Handebol

Duda (5), Chana Masson (3), Maik (2) e Alexandra (2). 

Curiosidade: Só quatro vezes o prêmio ficou com um homem, sendo Maik o único desde 2007. Duda ganhou em quatro dos últimos seis anos. 

Hipismo Saltos

Rodrigo Pessoa (7), Pedro Veniss (4), Doda (4). Marlon Zanotelli (1). 

Curiosidade: somente duas mulheres venceram o prêmio na história. A última delas em 2008.

Judô 

Mayra Aguiar (4), Erika Miranda (2), Rafaela Silva (2), Sarah Menezes (2), Flávio Canto (2).

Curiosidades: Mayra Aguiar nunca foi bicampeã consecutiva, apesar das quatro vitórias. Desde 2012, só mulheres ganham. De 2008, para cá, a exceção foi Leandro Guilheiro. Rafael Silva, duas vezes medalhista olímpico, nunca venceu o prêmio.

Maratona Aquática

Ana Marcela Cunha (8) e Poliana Okimoto (6).

Curiosidade: desde que o prêmio foi instituído na maratona aquática, em 2006, só as duas venceram.

Natação

Cesar Cielo (5), Thiago Pereira (4), Bruno Fratus (2) e Kaio Marcio (2).

Curiosidade: Só Nayara Ribeiro e Etiene Medeiros, uma vez cada, ganharam prêmios entre as mulheres.

Taekwondo

Natália Falavigna (7), Iris Sing (2), Edval Pontes (2), Diogo Silva (2). Milena Titoneli (1).

Curiosidade: Nos últimos 10 anos, oito atletas ganharam o prêmio.

Tênis

Marcelo Melo (4), Bruno Soares (4), Thomaz Bellucci (3), Guga (3), André Sá (2) e Flávio Saretta (2). João Menezes (1).

Curiosidade: O tênis é, junto com o CCE, as únicas modalidades presentes desde o início da premiação que nunca tiveram uma vencedora mulher.

Tênis de Mesa

Hugo Calderano (7), Hugo Hoyama (6) e Thiago Monteiro (4).

Curiosidade: Caroline Kumahara venceu em 2012, sendo a primeira mulher a conquistar o prêmio, e depois dela só deu Hugo Calderano.

Vela

Robert Scheidt (11), Martine Grael/Kahena Kunze (6), Bruno Prada (3) e Torben Grael (2).

Curiosidade: Das 11 vitórias de Robert, três foram em dupla com Bruno Prada. No total, apenas sete atletas ganharam o prêmio – os outros são Jorge Zariff e Fernanda Oliveira.

Vôlei de Praia

Emanuel (4), Larissa (4), Alison (3), Juliana (3), Shelda (3) e Ágatha/Duda (2).

Curiosidade: Até 2010 os prêmios eram sempre individuais. Por isso a conta é mais favorável a quem se destacou na última década. Durante o período em que jogaram juntas, Larissa e/ou Juliana, por exemplo, ganharam seis vezes.

Vôlei

Giba (5), Nalbert (2), Serginho (2), Fabiana (2). Bruninho (1).

Curiosidade: capitão da seleção, Bruninho só ganhou seu primeiro prêmio este ano, aos 33. Antes dele, só Fofão, entre os levantadores, havia sido premiada.

Badminton

Ygor Coelho (4), Daniel Paiola (4), Lohaynny Vicente (3), e Guilherme Pardo (3). Curiosidade: Desde 2009, só Daniel, Lohaynny e Ygor venceram, sempre de forma consecutiva.

Canoagem Slalom

Ana Sátila (7), Gustavo Selbach (5), Cássio Petry (4). Curiosidade: Nos últimos oito anos, Ana Sátila ganhou sete vezes. Ela só não foi a melhor em 2016, quando Pepê teve resultado melhor na Olimpíada.

Canoagem Velocidade

Sebastian Cuattrin (8), Isaquias Queiroz (7) e Nivalter Santos (4). Curiosidade: Erlon Santos, parceiro de Isaquias no C2, ganhou uma vez o prêmio, em 2012, em dupla com Ronlison Oliveira. Entre as mulheres, só Naiane Pereira levou.

BMX Racing

Renato Rezende (5), Priscilla Stevaux (2) e Ana Flávia Sgobin (2). Paôla Reis (1). Curiosidade: Nos últimos cinco anos a modalidade teve quatro vencedores diferentes. Só Priscilla foi bicampeã

Ciclismo de Estrada

Murilo Fischer (6), Clemilda Fernandes (3), Flávia Paparella (3), Rafael Andriato (3) e Magno Nazaret (2). Curiosidade: Vencedor este ano, Magno já havia ganhado em 2012. Esta é a segunda maior lacuna entre dois prêmios para um mesmo atleta. Só perde para Marcelo Tosi, do CCE, que esperou 12 anos.

Mountain Bike

Henrique Avancini (6), Rubens Valeriano (5), Jaqueline Mourão (5). Curiosidade: Nos últimos sete anos, Avancini venceu seis vezes. Só perdeu em 2016, ano olímpico, para Raiza Goulão.

Ciclismo de Pista

Gabriela Yumi (2), Kacio Freitas (2), Flávio Cipriano (2), Hernanes Quadri (2), Janildes Fernandes (2), Marcos Novello (2). Daniela Lionço e Wellyda Rodrigues (1). Curiosidade: Calcanhar de Aquiles do ciclismo brasileiro, o ciclismo de pista nunca teve um tricampeão. Este ano, pela primeira vez uma dupla ganhou. Daniela e Wellyda ganharam juntas bronze no Campeonato Pan-Americano.

Esportes na Neve

Isabel Clark (6), Jaqueline Mourão (3) e Michel Macedo (3).

Esportes no Gelo

Isadora Williams (4) e Edson Bindilatti (3). Nicole Silveira (1). 

 

Esgrima

Renzo Agresta (9) e Nathalie Moellhausen (3).  Curiosidade: Campeã mundial, Nathalie é a primeira esgrimista finalista do Atleta do Ano.

Ginástica Rítmica

Natália Gaudio (4), Angélica Kvieczynski (4) e Dayane Camilo (3). Bárbara Domingos (1).

Ginástica de Trampolim

Camilla Lopes (5) e Giovanna Matheus (4).

Adestramento 

João Victor Oliva (5), Luiza Oliveira (5) e Pia Aragão (4). João Paulo dos Santos (1). Curiosidade: João Paulo encerra uma sequência de cinco vitórias seguidas de João Victor, filho da ex-jogadora Hortência. Antes dele, Luiza ganhou cinco seguidas, também.

CCE

Raul Senna (3), Márcio Jorge (3), Ruy Leme (3), Marcelo Tosi (2), Carlos Parro (2), Serguei Fofanoff (2) e André Paro (2). Curiosidade: o CCE é a modalidade que mais tem atletas com ao menos duas vitórias, sete.

 

Hóquei sobre a Grama

Juliana Oliveira (2), André Luiz Couto (2), Matheus Borges (2). Mayara Eiko (1). Curiosidade: Em 17 edições, 14 atletas diferentes ganharam o prêmio. É um recorde entre modalidades que premiam um atleta por ano – a natação tem 15, mas porque já premiou quatro de uma vez.

Levantamento de Peso

Fernando Reis Saraiva (10), Wellington Dias (2), Edmilson Dantas (2), Jaqueline Ferreira (2). Curiosidade: Fernando Reis venceu as últimas sete edições. No ano do seu primeiro prêmio, em 2007, ele foi último colocado no Pan do Rio.

Nado Sincronizado

Carolina de Moraes (4), Luisa Borges (3), Nayara Figueira (3), Maria Clara Lobo (2), Duda Micucci (2) e Lara Teixeira (2). Curiosidade: este é o terceiro prêmio de Luisa, mas os outros dois haviam sido em dupla com Duda Micucci. Nos demais anos, o COB preferiu premiar as atletas individualmente.

Pentatlo Moderno

Yane Marques (12), Roberta Sant'Anna (2), Daniel Santos (2) e Maria Ieda (2). Curiosidade: Yane não só venceu 12 vezes como o fez de forma consecutiva.

Polo Aquático

Felipe Perrone (3), Grummy (3), Marina Canetti (3), Camila Pedrosa (2), Ricardo Perrone (2). Curiosidade: Ricardo ganhou o prêmio antes de se naturalizar espanhol. Felipe, seu irmão, ao voltar a ser "brasileiro" – atualmente ele joga de novo pela Espanha.

Remo

Fabiana Beltrame (9), Anderson Nocetti (2) e Uncas Teles (2). Pau e Xavier Vela (1). Curiosidade: Espanhóis com dupla nacionalidade, os irmãos Pau e Xavier nunca moraram no Brasil.

Saltos Ornamentais

Cesar Castro (9), Juliana Veloso (5), Hugo Parisi (2), Ingrid Oliveira (2), Isaac Souza (2) e Kaique Kauan (1) Curiosidade: Issac e Kaique foram premiados como dupla, mas Isaac já tinha um prêmio individual, em 2017.

Tiro com Arco

Leonardo Carvalho (6) e Marcus Vinicius D'Almeida (5).

Tiro Esportivo

Felipe Wu (3), Julio Almeida (3), Rodrigo Bastos (3), Cassio Rippel (2) e Ana Luiz Ferrão (2). Leonardo Lustoza (1). Curiosidade: Lustoza foi campeão mundial júnior este ano. É o único entre os premiados em 2019 por um resultado na base.

Triatlo

Manoel Messias (3), Pamella Oliveira (3), Reinaldo Colucci (3), Mariana Ohata (3), Carla Moreno (3), Sandra Soldan (3). Luisa Baptista (1). 

Wrestling

Aline Silva (5), Joice Silva (3), Laís Nunes (3), Rosângela Conceição (3), Antoine Jaoude (3). Curiosidade: desde 2005, só uma vez o prêmio ficou com um homem.

 

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

Blog Olhar olímpico