Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Boicote político a Israel suspende judô do Irã e pode tirá-lo da Olimpíada

Demétrio Vecchioli

22/10/2019 12h42

Saeid Mollaei (IJF/Divulgação)

O judô corre sério risco de não poder participar das competições de judô dos Jogos Olímpicos de Tóquio. O país, que teve dois representantes na Rio-2016 foi suspenso nesta terça-feira (22) pela Federação Internacional de Judô (IJF) por não dar garantias de que os judocas iranianos não irão boicotar eventuais confrontos contra rivais de Israel.

A decisão vem 50 dias depois de a própria IJF revelar um episódio ocorrido durante o Campeonato Mundial, realizado em Tóquio. Atual número 3 do ranking mundial na categoria até 81 quilos, o iraniano Saeid Mollaei recebeu diversas ordens para perder de propósito, tanto do comitê olímpico quanto do governo do Irã, para não enfrentasse o israelense Sagi Muki em uma possível final. Os dois países têm histórico de confrontos políticos, mas em julho o Irã havia se comprometido a seguir a carta olímpica e não proibir atletas de competirem contra israelenses. 

LEIA MAIS: 

+ Irã manda polícia a casa de judoca para forçá-lo a perder no Mundial

+ Conheça a rede de empresas que ganhou a concessão do Pacaembu

+ Governo esconde como e por quanto alugou Parque Olímpico ao Rock In Rio

O relato conta em detalhes, inclusive com imagens, como se deu a pressão sobre o judoca para que ele desistisse do torneio. O iraniano não fez a final do Mundial contra Muki porque, amedrontado, perdeu no golden score a semifinal para o belga Matthias Casse.

"Preciso de ajuda. Mesmo se as autoridades do meu país disserem que posso voltar sem problemas, estou com medo. Estou com medo do que pode acontecer com minha família e comigo", disse Mollaei em um comunicado publicado pela Federação Internacional de Judô (IJF) no início de setembro.

Agora vem a punição, que proíbe a federação iraniana não só de participar de competições, mas de estar em atividades sociais ou administrativas organizadas ou autorizadas pela IJF. A suspensão só será revogada quando o Irã oferecer "fortes garantidas" de que vai respeita o estatuto da IJF e aceitar lutas contra israelenses.

A punição é inédita e pode pressionar a Comissão de Ética do Comitê Olímpico Internacional (COI) a tomar medidas semelhantes contra o comitê olímpico do Irã, que também não oferece garantias de que seus atletas competirão contra israelenses, especialmente em modalidades de luta. O Irã é uma das potências mundiais do wrestling.

Apesar da suspensão, a tendência é que Mollaei seja autorizado a disputar os Jogos de Tóquio normalmente, competindo como refugiado. Depois do episódio no Mundial, ele não voltou ao seu país. Ele está em Berlim e deverá pedir asilo na Alemanha, com apoio da IJF.

 

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

Blog Olhar olímpico