Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Martine e Kahena são ouro em evento-teste e empolgam para Tóquio

Demétrio Vecchioli

21/08/2019 12h06

Martine e Kahena comemoram ouro no evento-teste da vela (Valter França/COB)

Atuais campeãs olímpicas da classe 49erFX da vela, Martine Grael e Kahena Kunze chegarão à Olimpíada de Tóquio, no ano que vem, como favoritas ao bicampeonato. Nesta quarta-feira (21), na Baía de Enoshima, elas venceram o evento-testes de Tóquio-2020, realizado no mesmo local onde acontecerão as regatas no ano que vem. No Rio, elas também ganharam o evento-teste antes do ouro olímpico.

O formato do evento-teste é igual à prova olímpica. Depois de 12 regatas na fase de classificação, as brasileiras avançaram à medal race na segunda posição, a um ponto das líderes. Aí, nesta quarta, na regata final, valendo o dobro de pontos, elas terminaram em terceiro e ultrapassaram, em pontuação, as britânicas Saskia Tidey e Charlotte Dobson, líderes até então.

LEIA MAIS:

+ Lei de Incentivo pode barrar corridas de rua: 'Não é de interesse público'

+ Viagem pessoal para Argentina derrete credibilidade da 'nova' CBDA

+ Comissão do Senado aprova refinanciamento das dívidas das confederações

"Foi uma semana bem difícil para nós. Tentamos baixar bastante as nossas expectativas porque não tínhamos condições de fazer o nosso melhor. Mas nos saímos muito bem", disse Martine, em declaração à assessoria de imprensa do COB. As brasileiras estavam cansadas depois de irem do Japão a Lima, onde ganharam o Pan, e depois novamente ao Japão.

"Ganhar um teste é um bom começo, é sinal de que elas estão entendendo como funciona aqui. Velejaram um pouco cansadas mentalmente, após um longo período de treinos, viagens e competir logo depois do Pan. Mesmo assim, fizeram uma regata excelente. Isso mostra que, apesar das condições adversas, elas foram capazes de obter um grande resultado. No Rio, elas já haviam vencido o evento-teste, agora aqui no Japão também. Podemos dizer que estão em um bom caminho", comemorou o técnico Torben Grael.

O Brasil só tem mais uma chance de medalha no evento teste, com Fernanda Oliveira/Ana Barbachan, na 470 Feminina. Elas chegam à medal race em sexto. Robert Scheidt passou em décimo à medal race da Laser e Jorge Zarif em oitavo na Finn. Mas ambos não têm chances matemáticas de irem ao pódio. Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino ficaram em 11º na Nacra17.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.