Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Aos 19, Piu é ouro na Universíade com o 5º tempo do mundo

Demétrio Vecchioli

11/07/2019 16h22

Alison Brendom (reprodução/Instagram)

Guarde esse nome: Alison Brendom dos Santos. Ou seu apelido: Piu. Aos 19 anos, ele é a grande promessa do atletismo brasileiro. Nesta quinta-feira (11), o corredor natural de São Joaquim da Barra (SP) comprovou isso faturando a medalha de ouro dos 400m com barreiras na Universíade, a chamada "Olimpíada Universitária", em Nápoles, na Itália. 

LEIA MAIS:

+ Piu, a revelação do atletismo brasileiro que treina de boné

+ Médico da Unisanta é suspenso após receitar doping a nadador menor de idade

+ Atletismo mostra força com ouro de Paulo André e recorde de Gabriel

Mais do que o ouro, impressiona o tempo: 48s57, quinta melhor marca do mundo em 2019 e, de novo, melhor resultado da vida de Piu. O garoto, que defende o Pinheiros, já havia se apresentado muito bem no GP Brasil de Atletismo, em abril, quando venceu com 48s84. Isso indica uma característica de ouro para um atleta: correr bem na hora certa.

O resultado obtido em Nápoles por Piu é também índice para os Jogos Olímpicos de Tóquio. A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), porém, ainda não anunciou se irá subir a régua e adotar índices mais fortes do que os internacionais. Também não estipulou se vai seguir a janela da federação internacional, que abriu em 1º de maio. Assim, não é possível cravar que Piu estará em Tóquio.

Também no Estádio San Paolo (famosa casa do Napoli), Paulo André Camilo venceu os 200m, confirmando seu posto de melhor velocista da competição. Ele, que já havia ganhado nos 100m, marcou 20s28, recorde pessoal e 35º tempo do mundo. À frente dele no ranking estão outros dois brasileiros: Gabriel Constantino (20s21) e Aldemir Gomes (20s27).

Na quarta, Jhennifer Conceição se tornou a primeira mulher brasileira a ganhar uma medalha de ouro na natação na Universíade, vencendo os 50m peito, distância que não é olímpica, com o tempo de 30s73. Jhennifer não vai ao Mundial porque não fez índice nos 100m peito. 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.