Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Medalhista da Rio-2016 é condenado a mais de 4 anos de prisão por tráfico

Demétrio Vecchioli

05/07/2019 16h48

Jack Bobridge, segundo da esquerda para a direita, com a mão esquerda levantada, foi medalhista na Rio-2016 e condenado à prisão (Bryn Lennon/Getty Images)

Medalhista de prata nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, o ex-ciclista australiano Jack Bobridge foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por tráfico de drogas. Vice-campeão olímpico na perseguição por equipes também em Londres-2012, ele é acusado de comandar um negócio de venda de pílulas de ecstasy em Perth, destino turístico de praia na Austrália.

Bobridge, de 29 anos, foi delatado por outro ex-ciclista, Alex McGregor, que foi preso em 2017 tentando oferecer ecstasy para um policial disfarçado que atuava no combate ao tráfico de drogas em bares e casas noturnas de Perth. Levado à prisão, McGregor contou que atuava como pequeno vendedor nas ruas (o que no Brasil acostumou-se chamar de "aviãozinho") e que o negócio pertencia a Bobridge.

Ainda de acordo com o pequeno traficante, ele recebeu centenas de pílulas de ecstasy de Bobridge entre março e agosto de 2017. De acordo com a imprensa australiana, o advogado de Bobridge, Sam Vandongen, disse perante o tribunal, nesta semana, que Bobridge, que alegava inocência, havia caído em desgraça desde que se aposentou, depois da Olimpíada. 

"Eles (ciclistas) são tratados como superastros na Europa. Isso atrai certas pessoas e atrai atenção", disse Vandongen, explicando que seu cliente se entregou ao álcool e às drogas enquanto ciclista profissional. Oficialmente, Bobridge havia justificado sua aposentadoria precoce, aos 26 anos, alegando problemas físicos.

Jacj Bobridge (Morne De Klerk/Getty Images)

O promotor Joel Grinceri apontou que, durante a carreira, Bobridge foi um usuário de drogas pesadas, principalmente cocaína. Depois da aposentadoria, passou a utilizar drogas pesadas, pediu concordata e chegou a trabalhar como pedreiro para pagar suas dívidas. Mas ressaltou que isso não o isentava da responsabilidade de ter comercializado ao menos 301 pílulas da droga proibida.

Enquanto ciclista profissional, Bobridge teve carreira sólida tanto na estrada quanto na pista. Na estrada, disputou quatro vezes o Giro D'Itália e ganhou em duas oportunidades o Campeonato Australiano. Já na pista colecionou 10 medalhas em Campeonatos Mundiais, inclusive o título individual de perseguição em 2011. Nos Jogos da Commonwealth ele ainda tem quatro medalhas de ouro.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.