Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Quebrada, CBDA fecha sede no Rio e põe prédio à venda

Demétrio Vecchioli

2026-06-20T19:15:40

26/06/2019 15h40

Depois de instituir o home office para economizar, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) foi além. Em mensagens enviadas em grupo interno de Whatsapp, o agora diretor-geral da entidade Ricardo Prado avisou que os funcionários devem passar na sede da confederação, no centro do Rio, e pegar seus pertences. O escritório na Avenida Presidente Vargas será fechado e, com sorte, alugado para gerar alguma renda.

LEIA MAIS:

+ Doping de Gabriel Santos é golpe duro no 4x100m livre a 25 dias do Mundial

+ Confederações endividadas conseguem liminar e voltam a receber Lei Piva

+ Presidente da CBDA fica isolado após novo CEO também pedir demissão

"O que vem rolando é que, segundo informação do nosso presidente (Miguel Cagnoni), a gente não deve mais voltar para nossa sede. A gente continua em home office e a FARJ (Federação Aquática do Rio) vai disponibilizar um espaço lá na sede dela", explicou Ricardo Prado, em mensagem de áudio recebida pela reportagem.

Deixando claro que a informação não deve chegar à imprensa porque "isso não ajuda em nada a nossa causa", Ricardo Prado explicou que a CBDA vai passar a operar em um cantinho da sede da federação do Rio. "Na FARJ não tem espaço para quase nada. A documentação pesada da CBDA lá não tem espaço não", respondeu ele, em outro áudio. Há pelo menos dois meses o site da CBDA não tem resultados atualizados.

Nas mensagens enviadas à reportagem por uma fonte, Ricardo Prado explica que agora ele "ajuda" o presidente Miguel Cagnoni a gerenciar as cinco modalidades. No fim do ano passado, Renato Cordani, fiador político de Miguel, demitiu-se do cargo de diretor de esporte reclamando falta de transparência na gestão. Em abril foi a vez de Ana Paula Alves, diretora de finanças e administração, pedir demissão. Pra muitos, a mais próxima aliada de Miguel era, na verdade, quem dava as ordens.

Leonardo Castro chegou em abril para atuar como CEO, depois de comandar a Lei de Incentivo ao Esporte no governo federal. Mas ficou só um mês no cargo e se demitiu reclamando que Miguel não permitiu que ele tomasse as medidas necessárias para sanar os problemas da confederação. Foi aí que Ricardo Prado foi promovido.

Agora, é o ex-nadador quem vai cuidar do desmonte da confederação. "É improvável que a gente volte para a sede velha. A gente tem autorização para alugar e talvez vender. Se alguém conhecer alguém que trabalha com mercado imobiliário, coloca a gente em contato. Por enquanto continua todo mundo em home office. Todos nós devemos ir lá retirar nossos pertences pessoais, porque certamente não devemos voltar a trabalhar na nossa sede", avisou.

"Aproveita e já chupa do seu computador tudo que for interessante. Nossa ideia é ter alguns computadores compartilhados. Três computadores que quatro, cinco ou seis pessoas possam utilizar", continuou. 

A crise financeira da CBDA começa nas prestações de contas da gestão Coaracy Nunes reprovas pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB). Essas reprovações impedem a CBDA de receber recursos da Lei Agnelo/Piva, sua principal fonte de receita. A confederação também tem pendências com o Ministério do Esporte, mas na semana passada o Tribunal de Contas da União (TCU) deu efeito suspensivo e isso deixou de ser impeditivo para os repasses da Lei Piva.

Mas a crise se acentuou mesmo quando os Correios deixaram de patrocinar a confederação. Miguel Cagnoni apostou que a renovação viria sem dificuldade e ficou a ver navios no fim do ano. Em fevereiro, ele chegou a ser recebido pelo então presidente da estatal, general Juarez Cunha, e os dois anunciaram a renovação do contrato. Como alertava o Olhar Olímpico, porém, a renovação já havia sido proibida pelo TCU. Ela nunca foi assinada e o general recentemente foi demitido. Agora, as negociações têm que começar do zero.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.