PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Presidente da AGLO é demitido por telefone e militares podem assumir legado

Demétrio Vecchioli

06/06/2019 11h49

Paulo Márcio Dias Mello, presidente da AGLO (divulgação/Rede do Esporte)

Uma semana depois de ser convidado a permanecer na presidência da Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), Paulo Márcio Dias Mello foi demitido pelo secretário Especial do Esporte, general Décio Brasil. A demissão, anunciada a ele pelo telefone, conta com o aval do ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), único que pode de fato exonerar Paulo Márcio.

A demissão ocorreu na terça-feira da semana passada (28 de maio), um dia antes de o diretor-executivo interino da entidade, Marcelo Nery, passar mal em um evento em São Paulo e ser internado. Desde então, a AGLO está acéfala.

O general Brasil convocou para esta sexta-feira (7) uma reunião para discutir o futuro da AGLO, o que incluiria a escolha de um novo presidente. A informação foi publicada mais cedo pelo jornal O Globo e confirmada pelo Olhar Olímpico. A expectativa é que o general escolha uma equipe de militares para assumir a autarquia.

O problema é que, na prática, Paulo Márcio continua sendo o presidente. Nomeado por decreto assinado pelo presidente Michel Temer (MDB) quando a AGLO foi criada, em março de 2017, Paulo Márcio só poderia ser exonerado por outro decreto. E isso depende de uma iniciativa do ministro da Cidadania, a quem a AGLO é subordinada – na hierarquia do poder, ela está na mesma faixa da secretaria do Esporte, não abaixo dela.

Funcionários do ministério que são próximos ao ministro chegaram a procurar Paulo Márcio ao longo da semana passada para tratar de assuntos do dia-a-dia da autarquia, sem saber que ele estava afastado. Terra, porém, assegura que a decisão passou por ele.

Para justificar a demissão pelo telefone, o general Brasil alegou que Paulo Márcio não cumpriu a meta de dar uma destinação para o legado olímpico. Dias antes, o general deu entrevista ao UOL, publicada na quinta-feira passada, defendendo o contrário: que a AGLO precisa ser mantida.

A lei que sustenta a existência da autarquia determina que ela precisa ser extinta até 30 de junho. Mas não há qualquer possibilidade de ela ser privatizada antes disso. O Ministério da Cidadania inclusive já enviou ao Ministério da Economia um documento solicitando que a autarquia seja renovada. Seria também uma forma de a pasta não perder uma reserva política de 65 cargos comissionados, muitos deles de alto salário.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.