Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Calderano faz história, chega às oitavas do Mundial e fará 'jogo da vida'

Demétrio Vecchioli

2024-04-20T19:13:34

24/04/2019 13h34

Hugo Calderano no Mundial de Tênis de Mesa (Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte)

O tênis de mesa brasileiro vai viver seu maior momento nesta quinta-feira (24), em Budapeste, na Hungria. Às 12h locais (7h de Brasília), Hugo Calderano enfrenta o chinês Ma Long, considerado o melhor do mundo, em partida válida pelas oitavas de final do Campeonato Mundial. Nunca um mesa-tenista brasileiro avançou dessa fase nessa competição. Ubiraci da Costa, o Biriba, em 1961, e Cláudio Kano, em 1987, pararam nas oitavas.

Calderano, que chegou ao Mundial como sétimo cabeça de chave, deu muito azar no sorteio dos mata-matas. Ele só deveria enfrentar os favoritos a partir das quartas de final, quando estarão vivos na competição apenas oito jogadores. Só que Ma Long, atual bicampeão mundial e campeão olímpico, joga relativamente pouco no Circuito Mundial. E, por isso, é só o 11º cabeça de chave.

Atual numero sétimo do ranking mundial, Calderano não precisou passar pela fase preliminar do Mundial, de grupos, que reuniu mais de 200 mesa-tenistas. Estreou na terça com uma vitória apertada sobre o argentino Horacio Cifuentes (4 a 2), repetindo o placar contra o japonês Kazuhiro Yoshimura, no mesmo dia.

Nesta quarta, ele não teve trabalho para ganhar do indiano Sathiyan Gnanasekaran, por 4 a 0 (11-6, 11-3, 11-9, 11-9) e chegar às oitavas. "Eu comecei bem o jogo e não dei chances a ele. Ele é um bom jogador, conseguiu se adaptar e começar a jogar melhor. Mas felizmente eu consegui me manter acima", comentou depois da partida.

Calderano é o único jogador das Américas entre os 16 melhores do Mundial. Além dele, restam na competição quatro chineses (todos na mesma chave que a dele), quatro sul-coreanos, dois japoneses e cinco europeus. Cabeça de chave número 2, o chinês Xim Xu foi eliminado pelo francês Simon Gauzy, colega de equipe do brasileiro na Alemanha e seu parceiro de duplas no Circuito Mundial.

Pela primeira vez na história o Brasil teve cinco representantes na chave masculina do Mundial, feito que só foi possível porque o país agora é o oitavo do ranking mundial. Gustavo Tsuboi perdeu na primeira rodada, assim como Vitor Ishiy e Thiago Monteiro. Eric Jouti avançou da primeira fase, mas foi eliminado na sequência, fechando o Mundial entre os 64 primeiros.

No feminino, Bruna Takahashi também passou da primeira rodada, mas acabou eliminada pela sul-coreana Hyowon Suh, que agora está nas oitavas de final. Algoz de Gui Lin na estreia da chave, a japonesa Hitomi Sato também está nas oitavas. Jessica Yamada caiu na fase de grupos. Na chave feminina, todas as 16 jogadoras que seguem vivas no torneio são asiáticas.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.