PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Washington 'Coração Valente' cuidará do maior orçamento do Esporte

Demétrio Vecchioli

13/02/2019 13h27

Washington (Rafael Andrade/TBA)

O ex-jogador de futebol Washington (PDT), conhecido também pelo apelido de "Coração Valente", será nomeado para cuidar da maior parte do orçamento da área de esporte no governo Jair Bolsonaro (PSL). A escolha é surpreendente porque Carla Ribeiro Testa, esposa do consultor Antônio Flávio Testa, um dos principais conselheiros da campanha de Bolsonaro, já havia sido inclusive anunciada para o cargo. A informação foi confirmada ao Olhar Olímpico pelo Governo Federal.

+ Coronel será o "homem do futebol" de Bolsonaro
+ Emanuel, do vôlei de praia, é convidado para assumir antidoping no governo

Washington, que é filiado ao PDT de Ciro Gomes, começou sua trajetória política em 2012, quando foi eleito vereador por Caxias do Sul (RS), onde também foi secretário municipal. Em 2014 se candidatou a deputado federal, pelo PDT gaúcho, mas não alcançou o total de votos para assumir a cadeira como titular.

Em novembro, logo depois da eleição de Bolsonaro, ele assumiu um lugar na Câmara dos Deputados, na cadeira de Onyx Lorenzoni (DEM), de quem era suplente. Teria sido de Onyx, ministro da Casa Civil, um dos responsáveis por conseguir emplacar o nome de Washington no cargo de Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (SNELIS).

Esta é uma das quatro secretarias sob o guarda-chuva da Secretaria Especial de Esporte, mantendo o mesmo status de como era no Ministério do Esporte, que tinha também a ABCD (antidoping), a de Alto-Rendimento e a de Futebol e Diretos do Torcedor.

A SNELIS, porém, é a mais importante politicamente, porque é que tem o maior o maior orçamento e também a que cuida da liberação de centenas de emendas parlamentares para pequenas obras e eventos pelo interior do país, como reforma de quadras, construção de academias ao ar livre e outras estruturas.

A secretaria já estava prometida para Carla Ribeiro, ex-atleta de kickboxing e karatê. Na quinta-feira passada (7), a assessoria de comunicação do Ministério da Cidadania chegou a noticiar que ela participou de uma reunião com representantes do governo japonês. A apresentou como "a secretária indicada para a SNELIS".

Em contato telefônico com o Olhar Olímpico, o consultor Antônio Flávio Testa confirmou o nome de Washington para o cargo. O casal, que trabalha com Bolsonaro desde o início da campanha, diz que não está magoado e que vai continuar trabalhando para o governo, mesmo sem cargo. Antonio Flávio foi o principal conselheiro de Bolsonaro, durante a campanha, nas áreas de esporte e educação.

De acordo com a Folha, ele seria o número 2 do Ministério da Educação, mas foi "rifado" depois de uma discussão com o ministro Ricardo Vélez Rodriguéz.  "Nós vamos continuar trabalhando pelo governo 24 horas por dia. Agora mesmo saí de uma reunião no GSI (Gabinete de Segurança Internacional). A Carla trabalhou voluntariamente durante toda a campanha e na transição e vai continuar trabalhando", disse Testa, ao Olhar Olímpico.

O blog não conseguiu contato com o Washigton. Ele é o segundo ex-atleta a ser escolhido para um cargo de primeiro escalão no esporte. O campeão olímpico e mundial de vôlei de praia Emanuel Rêgo será o secretário da ABCD, mas até agora não foi nomeado.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.