Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Tênis perde patrocínio dos Correios e corta projetos sociais

Demétrio Vecchioli

30/01/2019 04h00

Bruno Soares treina para a Copa Davis (divulgação/CBT)

Depois de mais de 10 anos, o Brasil vai entrar em quadra pela Copa Davis a partir desta sexta-feira (1) sem ter sua imagem associada aos Correios. O contrato entre a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) e a estatal se encerrou em novembro sem renovação e sem sinalização de que terá continuidade. Diferentemente do que fizeram diversas confederações nos últimos anos em momento em que discutiam renovação, a CBT retirou os Correios de todo seu material. Enquanto isso, o Rio Open recebeu incentivo fiscal de R$ 8 milhões do governo do Rio, nesta terça (30), além de já ter captado mais de R$ 5 milhões pela Lei de Incentivo ao Esporte.

+ Ex-comentarista do Sportv e dirigente são condenados a 4 anos de prisão
+ Opinião: Com Bolsonaro, alto escalão do Esporte terá a mesma cara de sempre

Assinado no início de 2017, o último contrato entre CBT e Correios teve duração de dois anos e rendeu apenas R$ 2 milhões por ano à confederação, ante cerca de R$ 8 milhões anuais até a Rio-2016 – já considerando o investimento pelo Plano Brasil Medalhas. Agora, não restou nem isso.

"Em meados de 2018 tivemos reuniões e diversas conversas com a equipe do departamento de marketing dos Correios, para tratar da nossa renovação de patrocínio. O contrato venceu em novembro e ainda não tivemos uma resposta em definitivo. Entendo que o momento é geral, não é pontual da CBT. Várias confederações também estão passando por essa dificuldade", comenta o presidente da CBT, Rafael Westrupp. Os Correios dizem que "estão em negociações para avaliar a celebração de novos contratos".

Declaração recente da tenista Bia Haddad Maia, principal nome do tênis feminino do Brasil atualmente, mostra o impacto do corte. "Os Correios foram fundamentais na minha ascensão no tênis. Desde a minha transição do juvenil para o profissional, o Correios esteve com a CBT me apoiando, viabilizando minhas viagens e o meu desenvolvimento no tênis. Seria impossível viajar no juvenil sem o Correios", disse ela, em meados do ano passado.

Ainda que a CBT tenha tido, segundo Westrupp, superávit de R$ 800 mil no exercício de 2018, a saída do patrocinador máster já vem gerando corte de investimentos. "Todos os contratos de prestadores de serviços, projetos sociais, entre outros, que tinham seus prazos de vigência concomitantes com a vigência do contrato de patrocínios dos Correios, já foram descontinuados", continua o cartola catarinense, recentemente eleito para o Conselho de Administração do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Entre os projetos mantidos pela parceria estava o Correios Transformando pelo Tênis, que atendeu, ano passado, 40 crianças de 8 a 12 anos, alunos da rede pública de ensino de Florianópolis.

Ainda segundo Westrupp, a preparação para a Copa Davis não foi afetada pela saída do patrocinador, que tinha inclusive o direito de nome sobre a equipe brasileira, chamada "Time Correios Brasil". "A estrutura já está toda montada e as equipes treinando. A CBT fez um acordo muito positivo com a cidade de Uberlândia (MG), que viabilizou o evento, econômica e operacionalmente falando", ele explica.

Atualmente, a confederação tem outros três "parceiros": Wilson, Peugeot e Companion, que rendem R$ 600 mil ao ano entre materiais (bolas e uniformes) e dinheiro, segundo a CBT. A saída dos Correios, que injetavam R$ 2 milhões, gera um "impacto significativo", mas a entidade acredita que a situação é contornável.

"Já sofremos com um corte mais profundo logo que assumi a entidade. E encontramos soluções gerenciais capazes de manter o equilíbrio financeiro da CBT e ainda seguir investindo em programas pioneiros. E assim seguiremos mantendo os programas e investindo no alto rendimento e na base", afirma Westrupp.

O patrocínio dos Correios à CBT começou em junho de 2008. Na ocasião, foi assinado contrato de R$ 3,8 milhões por um ano. Até 2016, os valores foram crescendo ano a ano, até quase R$ 9 milhões em 2016. Os cortes vieram em momento de crise na estatal, que também reduziu significativamente os aportes na CBDA (desportos aquáticos) e na CBHb (handebol). 

Nesta quinta-feira (31), aliás, vencem esses dois contratos. A partir de sexta, tanto os desportos aquáticos quanto o handebol brasileiro estarão sem patrocinador máster. As duas confederações seguem tentando a renovação como os Correios, que, sob nova direção, não sinalizou ainda nem que vai renovar, nem que não.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.