Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Sem ministério, Esporte deve manter secretarias nacionais

Demétrio Vecchioli

2002-01-20T19:09:21

02/01/2019 09h21

Ministro Osmar Terra toma posse em Brasília (José Cruz/Agência Brasil)

Publicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite de terça-feira (1), a reorganização ministerial do governo Jair Bolsonaro (PSL) acabou com o Ministério do Esporte, transformado-o em secretaria especial, mas deixou brechas para manter o antigo organograma da pasta, com quatro secretarias nacionais.

+ Siga área especial do blog dedicada à cobertura do governo Bolsonaro
Bolsa Atleta não tem orçamento para continuar existindo em 2019

No organograma que vingou nos últimos anos, abaixo do ministro existiam cinco secretários. Um deles, executivo, ordenador de despesas – era quem assinava contratos do ministério. Outros três comandavam secretarias nacionais de "Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social", "Alto-Rendimento" e "Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor". E um quarto chefiava a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).

A partir de agora, o Esporte é uma "secretaria especial" dentro do Ministério da Cidadania, comandada pelo general Marco Aurélio Vieira – que até a publicação desta reportagem não havia ainda sido oficialmente nomeado. Caberá ao ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB-RS), levar as demandas do esporte ao presidente Bolsonaro e a outros ministros. Com cargo de segundo escalão, Vieira fará a interlocução entre o setor esportivo e Terra, ficando também responsável pelo ordenamento de despesas.

Por decreto, estão listadas duas agências reguladoras do esporte como parte da "estrutura básica" do Ministério da Cidadania: a ABCD e a Autoridade Pública de Governança do Futebol, responsável por fiscalizar, regular e disciplinar  o Profut, programa de responsabilidade fiscal do futebol brasileiro. O Conselho Nacional do Esporte, órgão consultivo e que antigamente se relacionava diretamente com o ministro do Esporte, também aparece nesta lista.

O mesmo decreto ainda anota que a estrutura básica do ministério, que também engloba desenvolvimento social e cultura, terá "até 19 secretarias". Isso deve permitir que o Esporte mantenha suas três, subordinadas ao general Vieira, para cuidar do alto-rendimento, do futebol e do esporte de inclusão/lazer. Ainda não há nenhuma indicação de quem serão os escolhidos para cuidar de cada área.

 

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.