Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Sem Lei de Incentivo, Brasil Open tem futuro incerto

Demétrio Vecchioli

2010-12-20T18:04:00

10/12/2018 04h00

Ibirapuera recebe público razoável nesta quinta-feira
(Marcello Zambrana/ DGW Comunicação)

A partir do dia 5 de janeiro, até 7 de março, o Ginásio do Ibirapuera está reservado para a realização do Brasil Open. Mas isso não significa que o evento vá de fato ocorrer. Faltando pouco mais de dois meses para o segundo torneio de tênis mais importante do país, a sua viabilidade ainda está em xeque. Os organizadores asseguram que o evento ocorrerá, mas se negam a dar mais detalhes.

ATP não reconhece carta que Brasil Open usou para ter R$ 3,9 mi do governo

Como Brasil Open mudou 4 vezes de dono sem sair das mãos da Koch Tavares

Até agora, a comissão técnica vinculada ao Ministério do Esporte que discute a aprovação de projetos pela Lei de Incentivo ainda não votou o pleito da Associação Brasileira para Criação e Desenvolvimento de Modalidades Esportivas (Asbra). Existe a possibilidade de essa análise ocorrer na última reunião do ano, em 19 de dezembro, caso o conselheiro que pediu vistas, o advogado Márcio Fernando Andraus, esteja presente. Caso contrário, a decisão será adiada por mais um mês.

A Asbra pediu autorização para captar R$ 6,7 milhões – mais do que nos últimos dois anos, somados. Em 2016, quem pleiteou recursos foi o Instituto Cidadania Através do Esporte, que recebeu autorização para captar R$ 1,8 milhões. Em 2017, já com a Asbra, o Brasil Open pôde captar R$ 2,3 milhões. Para 2018, foram autorizados R$ 3,8 milhões, dos quais R$ 3,3 milhões foram de fato captados.

Principal doadora (R$ 1,7 milhões para a edição passada), a Vivo não garante que continuará como patrocinadora máster. Em nota ao Olhar Olímpico, a empresa de telefonia disse que "avalia a continuidade do patrocínio" enquanto aguarda a aprovação do projeto pelo Ministério dos Esportes". No ano passado, a Vivo sozinha foi responsável por metade do financiamento ao evento.

Segunda principal doadora para o evento em sua edição passada (R$ 880 mil), a Mapfre Seguros também não promete patrocinar o torneio em 2019. Em nota, disse que o o seu planejamento de patrocínios e apoios para o ano de 2019 está em andamento, "razão pela qual não há confirmação sobre sua participação no Brasil Open".

No site do torneio, assim como em suas mídias sociais, não há qualquer referência ao torneio de 2019 – sequer data de realização. É como se ele não existisse, exceto o fato de fazer parte do calendário da ATP para acontecer na semana do dia 25 de fevereiro. Marcado para a semana anterior, o Rio Open vende ingressos desde setembro, realizou em São Paulo torneio para escolher um convidado e até anunciou participantes. Perdeu o patrocínio do Itau, segundo principal patrocinador desde sua primeira edição, mas já o substituiu pelo Santander.

Em São Paulo, entender a organização do Brasil Open é tarefa complicada. Como mostrou o Olhar Olímpico em março, o torneio trocou quatro vezes de donos nos últimos anos, com a cada um ano um proponente se apresentando ao governo federal como o "dono" da chancela do torneio.  O blog também já mostrou que a Associação de Tenistas Profissionais (ATP) não reconheceu como verdadeira a carta supostamente emitida por ela para o governo brasileiro informando que a Asbra seria a organizadora do evento.

Independente da "organizadora" da vez, o Brasil Open sempre teve a "organização" da Koch Tavares. Nesta semana, o blog perguntou à assessoria de imprensa do evento se, mais um vez, a Koch será responsável pela organização. Não obteve resposta. A assessoria também não respondeu quais patrocinadores estão confirmados, nem por que houve reserva do ginásio por dois meses – a SELJ cobra aluguel por dia e diz que "o contrato do Brasil Open de Tênis ainda está em análise pela pasta".

Antiga gigante do marketing esportivo, a Koch Tavares tem sofrido para manter seus eventos. Nos últimos anos, teve diversas vezes seus bens e contas bancárias bloqueados por decisões judiciais, o que chegou a incluir a bilheteria do Brasil Open. Ao mesmo tempo, não foram raras as ocasiões em que fornecedores do torneio reclamaram não terem recebido o acordado, o que já causou ao menos duas condenações na Justiça de São Paulo. Inscrita no Cadin, a empresa não pode ser subcontratada com recursos da Lei de Incentivo, por exemplo.

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.