PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Na contramão do COB, CBDA troca austeridade por regalias a estrelas

Demétrio Vecchioli

14/11/2018 04h00

Cesar Cielo e outros medalhistas olímpicos chegam aos Jogos de Londres-2012, após voarem de executiva

Menos de um ano depois de o Comitê Olímpico do Brasil (COB) passar a impedir a compra de passagens de classe executiva com recursos da Lei Agnelo/Piva, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) decidiu ir na mão contrária. Na semana passada, anunciou a criação de uma nova regra, que oferece passagem de executiva e "upgrade hoteleiro" para alguns atletas de destaque. No Mundial de Piscina Curta, o privilégio a três atletas deve custar o mesmo que as passagens dos outros 17 convocados.

Relembre: COB corta regalias de medalhistas olímpicos e amplia vantagens de cartolas

Pelo que apurou o Olhar Olímpico, as regalias foram um pedido de Cesar Cielo, que as recebia da gestão anterior. No começo do ano, porém, um decreto do presidente da República Michel Temer (MDB) passou a proibir a compra de passagens executivas para servidores públicos federais. Como os recursos da Lei Agnelo/Piva vêm da União, o COB alterou sua política de viagens para também impedir esse tipo de compra. Mas deixou em aberto a possibilidade de as confederações, ou o próprio viajante, com recursos próprios, fazerem o upgrade de categoria.

Impossibilitada de pagar as passagens de classe executiva com recursos federais, a CBDA institucionalizou a compra com verbas próprias. E o fez a um mês daquela que deve ser a última viagem de Cesar Cielo com a seleção brasileira, para a disputa do Mundial de Piscina Curta, na China.

Pelas regras, passam a ter a regalia (que a CBDA chama de "premiação") os atletas que sejam medalhistas olímpicos (logo, apenas Cesar Cielo, atualmente), atuais campeões mundiais em piscina longa (Etiene Medeiros, nos 50m costas) e recordistas mundiais (Cesar Cielo e Nicholas Santos, sendo este último em prova não olímpica em piscina curta). O direito é contínuo e vale para vôos internacionais para eventos oficiais da Fina (ou seja, Mundiais). Como é o COB que paga idas a Jogos Olímpicos e Jogos Pan-Americanos, esses mesmos atletas viajariam de classe econômica para Lima-2019 e Tóquio-2020.

No boletim em que institucionalizou as regalias, a CBDA deixou claro que as dará "sempre que possíveis economicamente". Não é este o caso no momento. A confederação passa por dificuldades financeiras e, de acordo com fontes do Olhar Olímpico, estaria adiando pagamentos de fornecedores. A entidade, por exemplo, não tinha dinheiro para realizar o Troféu José Finkel, principal competição desse segundo semestre, e precisou que parceiros pagassem as contas. No primeiro semestre, o Troféu Maria Lenk foi quase todo bancado pelo COB.

Mesmo assim, porém, a CBDA vai pagar as regalias a Cielo, Nicholas e Etiene no Mundial. O blog questionou a confederação sobre o impacto financeiro de tais benefícios, mas a entidade disse que os custos ainda não foram fechados. O Olhar Olímpico também quis saber de onde virá a verba para fazer os upgrades, uma vez que o único patrocinador da CBDA é uma empresa pública (os Correios). A resposta foi: "o valor será incluído no balanço público que será auditado e publicado em momento determinado pela legislação".

O Olhar Olímpico cotou no site Sky Scanner passagens de São Paulo a Hangzhou saindo em 7 de dezembro e voltando no dia 17. Um bilhete de classe econômica custaria a partir de R$ 4,6 mil. De classe executiva, mais de R$ 25,5 mil. Ou seja: a partir dessa cotação, o custo das passagens para Cielo, Nicholas e Etiente (R$ 77 mil) é equivalente ao custo das passagens, somadas, dos outros 17 convocados (R$ 78 mil).

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.