PUBLICIDADE
Topo

Aguardando julgamento por doping, Pedro Barros é campeão mundial de skate

Demétrio Vecchioli

03/11/2018 17h51

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

The run… 📹 @italopenarrubia #timepetrobras @oi_oficial

Uma publicação compartilhada por Pedro Barros (@pedrobarrossk8) em

Principal nome do skate brasileiro na atualidade, Pedro Barros se tornou neste sábado o primeiro skatista do país a se tornar campeão mundial no skate park. A conquista veio em Nanning, na China, onde Pedro venceu a terceira edição do evento, depois de ter ficado com a prata tanto em 2016 (na Suécia) quanto em 2017 (também na China).

Pedro só pôde participar da competição porque a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) optou por não aplicar suspensão preventiva depois de o skatista ser pego no doping em exame colhido em janeiro, durante um evento no Rio. Na ocasião, ele testou positivo para um dos princípios ativos da maconha. Desde então, espera na longa fila de julgamentos do Tribunal de Justiça Antidopagem (TJAD).

Aproveitando essa liberdade, Pedro avançou à final em Nanning com a terceira melhor nota. Na final, deixou para trás o norte-americano Heimana Reynolds, que ficou com a prata, e o australiano Keegan Palmer, bronze. Em três edições do Mundial de Skate Park, sete skatistas diferentes foram ao pódio. Seis deles, uma vez, apenas. E Pedro em todas as três ocasiões.

Entre as mulheres, na quinta, duas japonesas ficaram nas duas primeiras colocações: vitória de Sakura Yosozumi, seguida de Kisa Nakamura. A australiana Poppy Starr Olsen ficou em terceiro, enquanto a brasileira Isadora Pacheco terminou a final na oitava e última colocação. Outras cinco brasileiras pararam nas semifinais.

Os campeonatos Mundiais de Skate são novidade no calendário internacional, reflexo da inclusão da modalidade no programa dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. No Japão, além do Skate Park, também será disputado a versão Street, na qual o Brasil tem maior protagonismo, com Letícia Bufoni (um ouro e duas pratas em três edições) e Kelvin Hoefler (um ouro e um bronze em quatro edições). A edição 2018 do Mundial será em janeiro de 2019, no Rio.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

Olhar Olímpico