Topo
Blog Olhar Olímpico

Blog Olhar Olímpico

Viação Cometa está entre alvos de operação da PF contra o handebol

Demétrio Vecchioli

12/07/2018 09h50

Edi Pereira/Divulgação

A Viação Cometa, uma das maiores empresas de transporte rodoviário do país, está entre os alvos da operação Sete Metros, deflagrada nesta quinta-feira pela Polícia Federal. Ao Olhar Olímpico, a PF de Sergipe confirmou que na seda Cometa, em São Paulo, foi cumprido um mandado de busca e apreensão.

Operação da Polícia Federal atinge confederação de handebol; Entenda
Entenda por que Justiça afastou presidente da Confederação de Handebol
Acesse o arquivo de notícias sobre handebol no Olhar Olímpico

A operação, que envolveu 60 policiais federais, acontece em torno das suspeitas de fraudes no uso de R$ 6 milhões de um convênio entre o Ministério do Esporte e a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), para a realização do Mundial Feminino de 2011, em São Paulo.

À época, a CBHb contratou a Cometa para “locação de ônibus executivo para transporte dos atletas, comissão técnica e comissão organizadora durante a realização da competição”, pelo valor final de R$ 468 mil. Na concorrência, a Cometa competiu contra uma empresa, a Ranking, que tem como donos dois doss “gerentes'' do Mundial.

Em maio, a Justiça Federal do Distrito Federal já havia apontado que “ao que parece, a única preocupação foi reunir e apresentar documentos que pudessem dar uma aparência de cumprimento à exigência imposta como condição ao recebimento dos recursos pelo Ministério dos Esportes''.

Além disso, a CBHb continuou pagando a locação de 22 veículos (que estavam à disposição dos membros da Federação Internacional de Handebol) e 30 vans (destinadas ao apoio
e organização) mesmo após o encerramento do Mundial por três dias além da cerimônia de encerramento. Para a Justiça do DF, só isso gerou um custo adicional de mais de R$ 100 mil aos cofres públicos.

Por fim, a CBHb ainda pagou integralmente os 20 dias de locação de 24 vans sem considerar que a realização dos jogos abrangeu apenas 10 dias nas subsedes de Santos, Barueri e São Bernardo do Campo. Mesmo com metade das equipes desclassificadas e os jogos ocorrendo apenas em São Paulo, no Ibirapuera, as vans que deveriam fazer o trajeto entre as sedes foram mantidas.

Em nota, a Viação Cometa disse desconhece qualquer irregularidade relacionada ao contrato com a CBHb. “A Viação Cometa aproveita para reiterar que atua estritamente de acordo com as normas que regulamentam o setor, bem como as leis do país, sempre pautada por suas rigorosas regras internas de compliance'', completou a empresa.

Em contato com a reportagem, o consultor jurídico da CBHb Paulo Sérgio Oliveira disse que não há fato novo que justifique a operação. “Todos os documentos relativos à prestação de contas do convênio estão em posse do Ministério do Esporte'', apontou o advogado, que explicou que a operação teria sido determinada por um novo delegado, que trabalha no caso na PF do Sergipe depois que o titular está em licença médica. Paulo Sérgio ainda destacou que Manoel já foi ouvido na investigação.

Mandados

A sede da Confederação Brasileira de Handebol, em Aracaju, também está entre os locais visitados pela Polícia Federal esta manhã, assim como a casa do presidente licenciado da entidade, Manoel Luiz Oliveira, também na capital de Sergipe. A residência do responsável pelas contratações também foi alvo de mandado de busca e apreensão.

Em Brasília, na sede da Orion Serviços de Telecomunicação, a Polícia Federal encontrou um depósito de bebidas. A impressão inicial é que a microempresa seria de fachada, de acordo com uma fonte da PF.

Também foram alvo da Sete Metros as seguintes empresas: GRM Serviços Médicos, Nobre Segurança Patrimonial, Flávio Audi Caleb Eventos, ZAS qualidade de vida, San Corporation, Photo&Grafia Comunicação, Geraforça Locação de Equipamentos e MR Sport

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.