Blog Olhar Olímpico

Calor frustra tentativa de recorde mundial, mas Kipchoge vence em Londres

Demétrio Vecchioli

22/04/2018 08h40

Ainda não foi desta vez que o tênis futurista da Nike fez diferença e permitiu a quebra de um recorde mundial. Afinal, ainda não inventaram uma tecnologia para suportar o calor. Neste domingo, na edição mais quente da história da Maratona de Londres, o queniano Eliud Kipchoge até que tentou imprimir um ritmo de recorde mundial, mas não suportou os 22ºC da corrida, e venceu pouco mais de 1 minuto acima do esperado: 2h04min16s – tempo não oficial.

Aos 33 anos, Kipchoge reforçou seu posto como o maior maratonista da atualidade – e um dos maiores da história. Ele estreou em 2013 e, de 11 provas, só não ganhou uma: a Maratona de Berlim de 2014. Desde então, venceu todas, correndo sempre duas Majors por ano. Como também levou Berlim em setembro, o queniano pela terceira temporada seguida é o campeão da série, que reúne as seis maratonas mais importantes – são duas séries, uma em abril outra em setembro, com cada atleta correndo duas vezes.

Em Londres, a expectativa era por um recorde mundial. Kophoge até correu nesse ritmo na primeira metade da prova, mas acabou sucumbindo ao calor. Depois dos 30km, claramente desistiu da ideia e se esforçou apenas em conseguir um bom resultado, garantindo a vitória. Ele foi acompanhado de perto até por volta do quilômetro 35 por Tola Shura Kitata, da Etiópia, que fez 2h05min00s, seu recorde pessoal – Kitata vinha de vitórias em Frankfurt e Roma.

Já o terceiro lugar foi o mais festejado: Mo Farah. Menos de um ano depois de se despedir das provas de pistas e migrar para a maratona, ele baixou em quase um minuto o recorde britânico, que durava 32 anos. Fez 2h06min32s. Nascido na Somália, mas criado na Inglaterra, Farah chegou a flertar com o recorde europeu (2h05min48s), mas não foi tão longe. De qualquer forma, essa foi só sua segunda maratona – na primeira, sem preparação específica, também em Londres, em 2014, havia sido oitavo.

Na prova feminina, vitória de uma campeã olímpica. Ouro nos 5.000m na Rio-2016 e, assim como Mo Farah, dona de quatro medalhas olímpicas nos 5.000m e 10.000m nas últimas duas edições dos Jogos, a queniana Vivian Cheruiyot ganhou com 2h18s30, quase dois minutos à frente de Brigid Kosgei. O resultado também foi comemorado pelos britânicos, uma vez que Paula Radcliffe continua então dona do recorde mundial: 2h15min25s, desde a Maratona de Londres de 2013.

Viena

Também neste domingo aconteceu a Maratona de Viena, onde o recordista mundial Dennis Kimetto falhou em completar a prova – ele a abandonou com lesão. Assim, completou dois anos sem encerrar uma maratona. A últimaf foi em Londres, em 2016. A vitória ficou com o marroquino Salaheddine Bounasser. O brasileiro Paulo Roberto de Paula terminou em nono, com 2h13min30s, o que o coloca na liderança do ranking nacional. É também o melhor resultado desde desde 2015.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Topo