PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Mais um campeão brasileiro de ciclismo é suspenso por doping

Demétrio Vecchioli

07/04/2018 10h11

Resultado de imagem para roberto pinheiro funvic

Já é mais fácil listar os nomes importantes do ciclismo de estrada do Brasil que não estão suspensos por doping do que relacionar os que cumprem suspensão. Afinal, esta segunda lista não para de crescer. O mais novo integrante do time dos dopados é Roberto Pinheiro da Silva, nada mais nada menos o atual campeão brasileiro da prova de resistência. Ele é mais um dos muitos atletas da equipe internacional da Funvic a cair no doping.

A suspensão foi informada pela União Ciclística Internacional (UCI), que atualizou a lista de atletas com suspensão provisória e adicionou o nome de Roberto, mais conhecido como Betinho. A entidade máxima do ciclismo não informou a data da coleta do exame nem a substância encontrada no corpo do brasileiro, apenas que ele está suspenso por uso de métodos e/ou substâncias proibidas. Isso significa que ele foi flagrado com anomalias em seu passaporte biológico.

A situação do ciclismo de estrada do Brasil é tal que, dos quatro primeiros colocados do Brasileiro de 2016, três estão suspensos por doping: Betinho foi terceiro, logo atrás de Kleber Ramos, suspenso por quatro anos após ser flagrado na Olimpíada, e à frente de Alex Diniz, também pego pelo passaporte biológico e suspenso por oito anos. Naquele ano, nenhum exame antidoping foi colhido durante a competição.

Em abril do ano passado, o Olhar Olímpico mostrou que o Brasil era o campeão mundial de casos de doping no ciclismo. E, desde então, a situação só piorou. Na lista da UCI aparecem suspensos Kleber Ramos (até 2020), João Marcelo Pereira Gaspar (até 2020), Alex Diniz (2025), Isabella Lacerda (2021), Josemberg Pinho (atleta paraolímpico, até 2019), Everson Camilo (2020), Raphael Mendes (2019), Mariano Nascimento (2020) e Cleberson Weber (2023).

Leia também: Presidente da Confederação de Ciclismo é multado por má gestão de verbas

A lista da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) tem Walter Henrique Serrou Pimentel, Antonio Xavier Nascimento, Luciano da Rosa (os três aguardam julgamento, mas não estão suspensos), Elton Pedroza da Silva, Izael Nunes, Anelise Rocha Assumpção, Erick Bruno Rodrigues dos Santos e  Cyro Jeker dos Anjos, todos suspensos provisoriamente. Desses, só Antonio Xavier é atleta de ponta.

Já entre os suspensos definitivamente pela ABCD estão Alex Arseno (até 2023), Everson Camilo (2020), Carlos Manarelli (2019), David Silva (2021), Verinaldo Pereira (2023), Ricardo Ortiz (2024) e Silvana Pinto (2019). E não acabou: ainda tem as suspensões aplicadas pela CBC: Uênia Fernandes (2019), Ricardo Andrei Ortiz (2020).

 

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Está disponível para críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas no demetrio.prado@gmail.com.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.