Blog Olhar Olímpico

Sem Nuzman, esporte dá passo para extinção de cartolas 'dinossauros'

Demétrio Vecchioli

09/10/2017 04h00

Nuzman e Paulo Wanderley (Heitor Vilela/COB)

O pedido de afastamento enviado na sexta-feira por Carlos Arthur Nuzman diretamente da cadeia é o começo do fim da trajetória de 22 anos do cartola à frente do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Apesar da queda do dirigente, que pode perder seu cargo em assembleia marcada para a próxima quarta-feira, no Rio, a cartolagem brasileira ainda vive na era dos “dinossauros”. Mas eles estão sendo extintos pouco a pouco e a expectativa é que, a partir de 2020, não existam mais.

Na rodada de eleições após os Jogos Olímpicos do Rio, alguns cartolas veteranos perderam o bastão, como é o caso de Carlos Fróes, que comandava a CBTri (triatlo) desde 1999 e não conseguiu fazer sucessor, ainda que o eleito, Marco La Porta, tenha sido diretor técnico da seleção até 2016. No tênis, Jorge Lacerda, que coleciona processos judiciais desde que assumiu a confederação, em 2004, fez sucessor e desapareceu. Mesma situação no hóquei sobre a grama, onde Sydnei Rocha, presidente desde que fundou a confederação, em 2003, elegeu um dos seus auxiliares envolvido em investigação da Polícia Federal.

No taekwondo, Carlos Fernandes nem pôde se candidatar à reeleição, impedido que foi pela Justiça enquanto também é investigado pela Polícia Federal. Outro que nem concorreu foi Coaracy Nunes, preso durante o processo eleitoral da CBDA – o veterano, então dirigente há mais tempo no cargo, de qualquer forma não seria candidato.

Foi exatamente por casos como os de Fróes, Lacerda, Rocha e Coaracy que o Congresso aprovou e a presidente Dilma Rousseff sancionou em 2014 a MP 620, que alterou a Lei Pelé incluindo uma cláusula na qual só poderão receber recursos públicos as confederações cujos presidentes estejam no máximo em segundo mandato. Como o tempo começou a contar dali, quem se reelegeu em 2016 não poderá fazer o mesmo em 2020.

Seria o caso inclusive de Nuzman, que chegou à presidência do COB em 1995 e foi sendo reeleito consecutivas vezes, a última delas no ano passado. Ele até tinha o plano de deixar o comando da entidade este ano, mas pela porta da frente, eleito presidente da Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa). A derrota, porém, frustrou esse plano e o manteve no cargo até sua prisão, na quinta-feira.

Seu substituto, Paulo Wanderley, foi durante 15 anos presidente da Confederação Brasileira de Judô (CBJ). Eleito para acabar com a dinastia dos Mamede, também ele se tornou um dinossauro no cargo. Só deixou a presidência, elegendo seu sucessor, Silvio Acacio Borges, porque acreditava que poderia chegar ao comando do COB ainda este ano – não foi pelo caminho que ele imaginava, mas isso de fato aconteceu.

A lista dos que largaram o osso recentemente ainda tem Roberto Gesta de Melo (ficou 26 anos no comando da Confederação Brasileira de Atletismo e deixou o cargo em 2013, para cuidar das federações sul-americana e ibero-americana) e Ary Graça (foram 18 anos à frente da Confederação de Vôlei, renunciando em 2014, já presidente da Federação Internacional).

Ainda assim, a relação dos dinossauros que continua em atividade ainda é grande. O novo campeão de longevidade é João Tomasini Schwertner, que comanda a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) desde 1989. Empatado com ele, Manoel Luiz Oliveira ainda luta na Justiça para validar sua última reeleição à frente da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb).

Crítico à gestão de Nuzman, Alaor Gaspar Pinto Azevedo comanda o tênis de mesa desde 1995, enquanto Vicente Fernando Blumenschein está à frente do tiro com arco desde 1999 e Helio Meirelles Cardoso preside a Confederação de Pentatlo Moderno desde 2002. A de ciclismo tem o mesmo presidente, José Luiz Vasconcellos, há 12 anos.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque, interior de SP, vive na capital paulista desde que começou a estudar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, onde terminou a graduação em 2007 e a pós-graduação em 2011. Após início na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Topo