Blog Olhar Olímpico

Agência Antidoping volta a funcionar, mas governo corta orçamento pela metade

Demétrio Vecchioli

19/04/2017 04h00

(Matthew Lewis/Getty Images)

Após quase cinco meses, a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) foi novamente declarada “em conformidade” com o código mundial pela Agência Mundial Antidoping (Wada). Mas não há muito que se comemorar. Poucos dias antes da decisão do órgão sediado em Montreal, o governo brasileiro havia decidido cortar radicalmente o orçamento da ABCD no ano, de cerca de R$ 12 milhões para R$ 6 milhões.

“Como todas as outras secretarias, a gente também tem as dificuldades financeiras. Faz umas duas semanas houve um corte de 51% em relação ao orçamento inicial. São números que nós vamos cumprir”, contou ao Olhar Olímpico o secretário nacional da ABCD, o ex-judoca e medalhista olímpico Rogério Sampaio.

O corte do orçamento é ainda maior quando se leva em consideração a meta de não reduzir o número de exames antidoping planejados. O objetivo da ABCD para 2017 é colher entre 3,5 mil e 4 mil amostras entre o final de semana passado, quando voltou a ter permissão para realizar exames, e o fim do ano. Só para realizar essas análises no Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), no Rio, a ABCD vai gastar cerca de R$ 4 milhões.

Ou seja: se o planejamento era ter R$ 8 milhões para investir, o dinheiro disponível agora caiu para R$ 2 milhões, sendo que boa parte desse montante já foi gasta em uma campanha publicitária de prevenção ao doping que teve como estrelas Rafaela Silva, Daniel Dias, José Roberto Guimarães e Gabriel Medina.

“A gente está equacionando questões de educação antidoping, também as operações. Vamos ver se conseguimos equacionar”, afirmou um otimista Rogério Sampaio, que recentemente fechou a contratação de um consultor internacional na área de passaporte biológico. Também já existe um edital aberto para a chegada de um consultor em educação. “Fazemos palestras para pessoas de diversos níveis, e a linguagem precisa ser diferente, as informações passadas também. Precisamos de alguém que nos ensine a fazer isso”, argumenta.

Em novembro, a Wada colocou a ABCD em uma lista de entidades nacionais que não estavam em conformidade com o código mundial antidoping. Na prática, isso tirou da ABCD a legitimidade para cuidar do combate ao doping no Brasil. Para ficar novamente apta a realizar esse serviço, a agência conseguiu que o governo federal criasse o Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem (TJAD), um tribunal único para julgar casos de doping. Até recentemente, cada confederação esportiva tinha seu tribunal.

Pelo menos desde julho do ano passado o governo fala do TJAD, que só foi de fato implantado no fim do ano passado. Os auditores tomaram posse em dezembro, mas o estatuto interno só foi aprovado em março. O órgão é formado por Fernanda Bini, Luísa Parente (ex-ginasta), Marcel de Souza (ex-jogador de basquete), Luciano Hostins, Guilherme da Silva, Gustavo Delbin, Humberto de Moura, Tatiana Nunes e Eduardo de Rose.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque, interior de SP, vive na capital paulista desde que começou a estudar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, onde terminou a graduação em 2007 e a pós-graduação em 2011. Após início na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Topo