Blog Olhar Olímpico

TCU multa ex-presidente da CBB e critica salário de R$ 100 mil a Magnano

Demétrio Vecchioli

20/04/2017 14h30

Presidente da Confederação Brasileira de Basketball até o mês passado, quando não se candidatou à reeleição, Carlos Nunes foi multado em R$ 15 mil pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por supostas fraudes na gestão dos recursos disponibilizados à CBB por meio da Lei Piva. Além dele, também foi multado pelo mesmo valor Edio José Alves, então secretário-geral da CBB.

As supostas fraudes foram identificadas a partir de auditoria realizada no ano passado pela Secretaria de Controle Externo no Estado de Minas Gerais (Secex-MG), a pedido do TCU. Foi fiscalizado o montante de R$ 5,145 milhão, valor recebido entre 1.º de janeiro de 2013 e 9 de dezembro de 2015.

A auditoria identificou que “todas as contratações da amostra selecionada com aquisições acima dos R$ 25 mil, em um total de cerca de R$ 1,7 milhão, foram realizadas sem qualquer processo de seleção pública e sem a devida publicação”. A CBB alegou que as contratações foram feitas após cotação com três fornecedores, mas o ministro Vital do Rego escreveu, em seu relatório, que “a CBB entregou, na verdade, tabelas elaboradas de próprio punho”, no referente à aquisição de viagens.

Entre as irregularidades citadas pelo TCU está também o pagamento a servidor público com recursos provenientes da Lei Piva.  Em dois convênios, foram localizados cinco servidores públicos – professores, médico, dirigente – que são funcionários da CBB.

O tribunal agora cobra que a CBB apresente, no prazo de 60 dias (contados a partir do último dia 12) um “plano de ação com vistas a adotar procedimentos para sanear a recorrência de irregularidades”. Esse plano deve contar, no mínimo, “as medidas que serão adotadas, os responsáveis pelas ações e o prazo previsto para a sua implementação”.

O relatório da Secex-MG, entre outras denúncias, demonstra que o técnico Rubén Magnano recebia R$ 107 mil mensais – ele deixou o cargo após a Olimpíada. Durante seis meses do ano, seu salário era pago com recursos federais descentralizados pelo COB. O valor descumpre a Lei 9.615/1998, que dispõe que a remuneração dos dirigentes estatutários não pode ser superior, em seu valor bruto, a 70% do limite estabelecido para a remuneração dos servidores do Poder Executivo federal.

O próprio relatório, porém, admite que, como não há legislação específica sobre o tema, a CBB não pode ser penalizada. Já o ministro relator Vital do Rêgo aproveitou para cobrar que o COB, em 180 dias, faça nova pesquisa “com vistas à obtenção de parâmetros para a remuneração de seus profissionais, a qual deverá ter em conta os níveis prevalecentes no mercado de trabalho para profissionais em funções efetivamente equivalentes nas esferas pública e privada e os princípios de moralidade, da economicidade, da razoabilidade e da impessoalidade”.

Procurado, Carlos Nunes se surpreendeu com a multa e disse que gostaria de ver o acórdão antes de comentar. Já a atual gestão da CBB se pronunciou por meio do presidente Guy Peixoto. “Infelizmente essa triste notícia é mais um ‘legado’ deixado pela gestão anterior. Uma de nossas primeiras ações ao assumirmos a gestão da CBB foi contratar uma empresa de renome mundial para realizar uma auditoria, que nos dará um mapeamento real de todo o cenário deixado. Assumimos a responsabilidade de colocar o basquete brasileiro novamente no lugar que lhe é merecido. Sabemos que será preciso muito esforço para isso, mas temos muita confiança em nosso trabalho, pautado na transparência”, disse o presidente da CBB.

Sobre o autor

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque, interior de SP, vive na capital paulista desde que começou a estudar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, onde terminou a graduação em 2007 e a pós-graduação em 2011. Após início na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Focado na cobertura olímpica, produziu o Giro Olímpico para o UOL e reportagens especiais para a revista IstoÉ 2016. Criador do Olimpílulas, foi colunista da Rádio Estadão e blogueiro do Estadão, pelo qual cobriu os Jogos do Rio-2016.

Sobre o blog

Um espaço que olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. Aqui tem destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Blog Olhar Olímpico
Topo